Seguidores

quarta-feira, 31 de outubro de 2012

CANGAÇO – MILLENARIAN REBELS: PROPHETS AND OUTLAWS - Parte X

Para os países que falam Inglês
In 1938 ended the career of Lampião, his wife Maria Bonita and his band – http://www.fabiobelo.com.br

After Lampião’s death, Corisco continued to scour the countryside with his men for nearly two years. In March of 1940, in a small village of the caatinga of Bahia, surrounded together with his partner Dadá by the macacos (who also had a machine gun), he refused to surrender. He died almost an hour later.

That was the end.

The cangaceiro gave evidence in himself of the possibility of shaking off the yoke of oppression, which is neither invincible nor eternal. Judgment can always fall, unexpected, upon the rich and powerful. The cangaceiro only caused the pieces to be put back in play, also showing that the struggle is pitiless and that freedom must be conquered. The cangaceiro was energy directed toward a new form of life. All things considered, the cangaceiro was the revolution.

This epic poem has been sung at fairs and feasts where poems are improvised. This one tells of the Arrival of Lampião in Hell:

There was great damage
In hell that day.
All the money that Satan
Possessed was burned.
The registry of control and more than six hundred million cruzeiros
Of merchandise alone
Were burned.

Starting in 1940, the northeast territory was completely pacified. Order was maintained through terror. The northeast was under armed occupation, even if it wasn’t under ideological occupation.

It was not always this way. This omnipresence of the state generated the sleep of the Mind, a true nightmare for the poor. It prohibited any discussion about the world. The idea of the state was beyond any critique; the world had become a fatality.

The Brazilian messianic movements, on the other hand, had developed at a time when discussion was still possible. For nearly century in that distant region, the poor had debated about the world.

The anthropologist Lanternari

The historical or human dimension seem to be absent both in Vittorio Lanternari’s interpretation[46], which sees in them a reaction of oppressed people that “attempts to escape an oppressive situation that holds the entire society in subjection”, and in Pereira de Queiroz’s interpretation[47], that, contrarily, notes an aspiration to order in a society in which “a freedom that is much too great reigns, a freedom that degenerates into licentiousness.”

The historical conditions that controlled the development of these movements are comparable to those that we encountered at the end of the Middle Ages in the west: a social organization that has become archaic is decomposing while a new social order is progressively established. The world debates about the world: the mercantile spirit versus the feudal spirit. The poor participated in their own way in the debate. They didn’t want to hear about either one, especially not the mercantile spirit, of the world that will be. For them it wasn’t a question of choosing between the past and the future; they weren’t paid by the state like sociologists or historians. Much more simply, it’s a matter of implacably resisting the bourgeois spirit, not because this overturns their customs, but because it is completely opposed to the idea that they developed of a human society. This is an excellent reason! They really struggled against progress, progress in the world of capitalist thought.

Thus they initiated in practice a debate of ideas between their social project and the social project of capital; between the idea they have of a human social practice and money as social practice.

The millenarian movements of the medieval era were at the center of a historical mutation from feudal to mercantile society. This mutation was already completed almost everywhere in the world when the Brazilian movements appeared. It was as if they found themselves at the historical edge of the mutation, a situation that explains their purely messianic character. They were expecting a cosmic upheaval, the hour of god’s vengeance was supposed to arrive at any moment. For the most radical medieval millenarians, the hour had come to accomplish that upheaval; with god’s help, they participated actively in the earthly realization of the Millennium, whereas the Brazilian messianic movements could only prepare for it.

Typical housing in Northeast Brazil – http://www.infoescola.com

The millenarian insurrections of medieval Europe had to confront an old and new principle. They were immediately critical in the face of the Church and Money. The fact is that the Church was a historical tradition and Money was a historical novelty. The society of northeast Brazil was religious in essence, but the Church had few roots there. As to the bourgeoisie, they were nonexistent. The poor wouldn’t have entered into direct conflict with the Church or merchants. They would have risen up against a mentality that insinuated itself into society, transforming minds. When conflict broke out, it was immediately against the state.

The messianic movements developed in a region that still did not know modern conditions of exploitation; an arid, often desert-like region that didn’t interest either the big merchants or industrialists. The wageworker was practically unknown there. But this area was surrounded by the modern world and modern mentality. To the south, the capitalist point of view had been imposed since the beginning of the previous century with the great coffee plantations. This monoculture addressed itself solely to exportation; it was completely dependent on the laws of competition, from the international market and stock market speculation. It required a modern organization of work, an industrial discipline. It constituted this social control by itself. It was its essence, because it created the conditions of an absolute dependence on money in practice. To the east, the seacoast, which had been employed in mercantile exchange with the metropolis from the start, very quickly found itself in a process of modernization of this activity. The “senhores de engenho”, the masters of the primitive sugar refineries, could no longer bear foreign competition. Slavery itself, which cost much too much, had been abolished by the republic and replaced with a more rational form of exploitation, wage labor, that made the worker directly dependent on money. With the aid of foreign capital, new factories were built, leading to a growing demand for sugar cane. The masters launched themselves into the acquisition of land: a devouring eagerness, no problem of fertility, it was enough to plant more and more there. And where one could not plant, one raised livestock.

This is how the capitalist mentality penetrated bit by bit into the sertão, deeply disrupting customary relationship; it was necessary to make money, and as quickly as possible. Furthermore, the conditions of exploitation became draconian; many found themselves without land or work, in the darkest, most desperate misery. They fled in mass from the coast where it was impossible to survive, taking refuge in the interior. Since this disoriented population was not integrated in force into the system, they went to swell the ranks of those who followed the millenarian prophets. In the end the exchanges between the interior and the coast (leather for saddler-making or for packaging rolls of tobacco, oxen for sugar mills and plantations) that balanced social life in the sertão, was to be brutally compromised by capitalist industrialization. This rupture in the exchanges would have tragic consequences for small farmers, cowhands and sharecroppers; it would call the relationship that linked the cowhand or the sharecropper to the owners of the land back into question. All this was reflected in local disputes, exacerbating them.

It is still common in the Northeast of Brazil the use of animals for transportation – http://portaldoprofessor.mec.gov.br

It is necessary to understand the origins of the millenarian movements. They developed in a region of relative freedom, where neither the state nor the church was omnipresent. But this region suffered the repercussions of the capitalist offensive from within this process due to the force of circumstance. Little by little, the traditional “client” relationships were replaced with indifferent, impersonal relationships, money relationships. From that moment on, betrayal was in the air. Respect for giving one’s word was replaced with the value of money that respects no one’s word. Deprived of all dignity by the allurements of profit, the large property holders betrayed customary rights without scruples and did their best to make the existence of the poor abominable. There was now something rotten in the sertão.

Once the animal breeders, property owners, cowhands and sharecroppers generally led the same life. The family formed the basic cell of society, not the conjugal family, but a great family, an “extended family”. The ties were formed from a familial nucleus (brothers and sisters, cousins, godchildren) and from one’s clientele (bastard branches, sharecroppers and old slaves). But these lineages had a leader. Within the family group, all those who had the same preeminent position received the title of colonel, but there was also a “colonel of colonels”.

An unspoken contract of exchange of services existed that insured the cohesion of the group and reinforced the position of the colonel, who had the duty of helping relatives and his faithful men: transfer of land, respect for sharecropping contracts (the cowhand possessed a part of the herd just like the sharecropper had a part of the harvest, a part fixed by custom), loans, guarantees of judiciary defense… this entailed a moral obligation that put those involved at the colonel’s service. Repayment in money was rare if not nonexistent.
Political power always formed the biggest stake in the struggles that opposed clans to each other in the interior of Brazil. The colonel was born to command; he had inherited the land and derived his power from this. The state only reinforced him with its safeguards, with its legal aid. The colonel was determined to jealously defend his social position. He enjoyed absolute impunity. It was said that the activity of a colonel who was respected was envisaged by every page of the penal code. He protected and conserved his power and prestige, by maintaining genuine bands of armed men, into which the men that depended upon his jurisdiction were conscripted during times of conflict between families. He was the real authority of the region.

Long periods of drought affecting the economy of Northeast Brazil – http://vereadorgilsondejesus.blogspot.com.br

No limits were imposed on the colonel, except respect of his word and tradition; all were at the mercy of his will. Greed could make him a terrible man. Thus, treachery was the immediate danger; everything was in danger of falling into the most arbitrary abuse. This led to a susceptibility to edginess capable of provoking, at the least sign, a series of conflicts within and among the clans.[48]

Millenarians and cangaceiros rose up in a society where relationships were still personal, where solidarity still had a meaning, but where latent unrest existed due to the progressive disintegration of these relationships. They originated in a crumbling society, undermined a bit at a time by capitalist ideology that made traditional relationships fall away. This ideology would aggravate society, exacerbate touchiness, arouse appetites. The large property owners would get involved in an implacable competition that would lead to the elimination of the weakest and the increase of the power of the strongest.

Continuaremos na próxima semana...

Extraído do blog: "Tok de História" do historiógrafo e pesquisador do cangaço Rostand Medeiros

http://tokdehistoria.wordpress.com/2012/09/22/cangaco-millenarian-rebels-prophets-and-outlaws/ 

LUIZ GONZAGA E O RIO GRANDE DO NORTE

Autor: Kydelmir Dantas

Já está à venda na LIVRARIA NOBEL
Avenida Senador Salgado Filho, 1782 - Lagoa Nova  - Natal - RN
CEP - 59022-000
fone: (0xx) - 84 - 3613-2007


Parceiros potiguares com verbetes:
Celso da Silveira, Chico Elion, Henrique Brito, Elino Julão, Frei Marcelino, Jandhuy Finizola e Severino Ramos.

Parceiros e interpretes potiguares com verbetes:
Ademilde Fonseca, As Potiguaras, Carlos Zens, Coral da Petrobras Mossoró, Khrystal, Marina Elali, Meirinhos, Mirabô Dantas, Nenem do Baião, Orquestra Sinfônica da UFRN, Orquestra Sanfônica de Mossoró, Paulo Tito, Roberto do Acordeon, Terezinha de Jesus, Trio Irakitan, Trio Mossoró, VINA e Zé Lima.

http://blogdomendesemendes.blogspot.com 

BIOGRAFIA DE VETERANO DA II GUERRA MUNDIAL SERÁ LANÇADA EM NATAL

Capa “Eu não sou herói, A História de Emil
Petr”, de Rostand Medeiros (Foto: Divulgação)

Vida de Emil A. Petr é contada por Rostand Medeiros. 


Livro relata infância, vida militar, prisão em campo nazista e missão no RN.                       
Ricardo Araújo - G1 RN.

Serviço:

Lançamento do Livro: 
“Eu não sou herói – A história de Emil Petr” 
294 páginas, 
Editora Jovens Escribas / Bons Costumes, 
R$ 50,00.
Local: Iate Clube de Natal
em Santos Reis, 
com entrada franca

Data: 
Hoje, 31 de Outubro de 2012, às 19h



OS MISTÉRIOS DO ATAQUE DE LAMPIÃO A MOSSORÓ; QUARTA E ÚLTIMA TEORIA, TERCEIRA PARTE

Por: Honório de Medeiros(*)
[Honório+lindo+026.jpg]

Quarta teoria: o ataque a Mossoró resultou de um plano político (terceira parte)

QUESTÕES SEM RESPOSTA (continuação), SEGUIDO DE MASSILON E O PLANO DENTRO DO PLANO

Vigésima-quarta: nos primeiros dias de setembro de 1927 a fazenda Bálsamo, da família Hollanda, fronteira do Ceará com o RN, foi invadida pela polícia à cata de cangaceiros, à procura de Júlio Porto, Francisco Brilhante e dois irmãos seus, envolvidos no assalto a Apodi. Por que lá não estavam Massilon nem Décio Hollanda, o proprietário da Fazenda?

Vigésima-quinta: por qual razão os cangaceiros não atacaram a residência do Gerente do Banco do Brasil para sequestrá-lo em busca de resgate, como supostamente queriam fazer com o Prefeito?

Vigésima-sexta: a que se atribui a lenda de que Jerônimo Rosado, correligionário do Coronel Rodolpho Fernandes e personalidade influente em Mossoró desde os tempos do Coronel Francisco de Almeida Castro, líder político que havia falecido há pouco tempo, estaria por trás do ataque, e não permitira saque ao comércio? Seria em decorrência de sua estranha omissão quanto à defesa da cidade?

Jerônimo Rosado

Em relação a esta última questão, é interessante a transcrição, feita por Kydelmir Dantas[1], de uma entrevista com Jerônimo Lahyre de Melo Rosado, 78 anos, farmacêutico e funcionário público federal aposentado[2]:

E seus familiares, onde estavam?

“O velho Rosado, meu avô, com quem eu morava desde a morte do meu pai, Jerônimo Rosado Filho, não queria sair da casa do centro da cidade. Ele chegou a fazer uma seteira (buracos enviesados nas paredes da sala), pois queria se defender dentro de casa com a família. Duó (Duodécimo), seu filho, ponderou que ele deveria retirá-la para um lugar seguro, pois ele tinha muitas filhas e o bando era terrível. Então ele passou a transportar todos, em várias viagens de automóvel, na manhã do dia do ataque. Foram todos para o “Canto do Junco”, de propriedade do Sr. Dobinha, no caminho de Tibau. Imagine, umas casinhas de palha num descampado, sem proteção... Mas era fora da cidade. Na casa da rua só ficaram o velho Enéias, avô de Wilson Rosado, e seu Chico, antigo empregado da Farmácia, com as portas e janelas trancadas.”

E o que fizeram com ele?[3]

“Acho que pensavam que ele ia morrer; mas como isso não aconteceu, resolveram matá-lo, temendo que Lampião voltasse para buscá-lo. Aí, ninguém teria sossego. Natal reclamou muito porque ele foi morto. O Major Laurentino, de Mossoró, se justificou com esse argumento.”

Faz sentido o quê Lahyre de Melo Rosado diz, ou teria sido ele industriado por seu avô?

Elencadas todas essas indagações extremamente sérias e ainda não respondidas, que teimam em parecerem importantes na justa medida em que as outras teorias acerca da invasão de Mossoró por Lampião não se sustentam, como visto antes, passemos então para o “x” da questão, conscientes que os indícios existentes acerca do viés político no ataque são muitos, e o difícil é conectar os fatos e lhes dar unidade de propósitos, tornando verossímil a conjectura exposta a seguir.

O cangaceiro Massilon

Sabemos que quando da invasão de Apodi por Massilon, o projeto de atacar Mossoró já existia, como noticiou o jornal “O Mossoroense”, em 15 de maio de 1927[4], insinuando, sem rodeios, que a invasão à cidade, a ocorrer em dias vindouros, integravaempreitada[5] (grifo do Autor) de grande vulto, e dele dera conhecimento, ao Coronel Rodolpho Fernandes, a carta de Argemiro Liberato.

Tudo isso foi abordado antes, neste livro.

Agora é preciso aprofundar o estudo do papel de Massilon no ataque a Apodi para, somente então, realmente começarmos a entender o cerne da teoria que atribui a um complô político o ataque de Mossoró por Lampião.

MASSILON E O “PLANO DENTRO DO PLANO”
                  
Para tanto, recordemo-nos que foi dito, antes, que a idéia de atacar Apodi e Mossoró não fora do Coronel Isaías Arruda. Do Coronel havia sido o planejamento e a “logística”, digamos assim.

Coronel Isaías Arruda

A idéia do ataque a Apodi chegara ao Coronel Isaías Arruda por intermédio de Décio Hollanda, fidalgote de Pereiro, Ceará, levado a ele por José Cardoso, seu[6] primo, residente em Aurora, no mesmo Estado, e responsável por apresentar Massilon a Lampião[7].

Tylon Gurgel

Décio Hollanda era genro de Tylon Gurgel, o principal líder de oposição ao Coronel Francisco Pinto em Apodi, Rio Grande do Norte.

Casa de Tilon Gurgel em Pedra de Abelhas

Dá-nos conta de tudo isso o pesquisador Marcos Pinto[8]:

Em 10 de maio de 1927, a pequena e pacata cidade de Apody é assaltada por uma horda de cangaceiros comandados pelo célebre bandido Massilon Leite ou Massilon Benevides, chefiando parte do bando de Lampião[9].

Igreja Matriz de Apodi. Foto de 1918.

A malta de desordeiros procedia do Pereiro, no Ceará, por determinação de Décio Holanda, Tilon Gurgel e Martiniano de Queiroz Porto, ferrenhos e virulentos adversários da família Pinto, do Apody.

Chegaram à cidade por volta das três horas da madrugada tendo início, de imediato, uma série de truculências, culminando com o assassinato do comerciante Manoel Rodrigues.

O bandido Mormaço, preso posteriormente nas imediações de Martins, RN, em princípio de junho, afirmou, em seu depoimento, que Décio Holanda os acompanhou até a fazenda Pau de Leite, próximo a Apody. Décio era genro de Tilon Gurgel.

Mormaço

De início os bandidos inutilizaram os aparelhos do telégrafo nacional. Dando seqüência à macabra missão de que estavam contratados, aprisionaram alguns cidadãos. Saquearam e incendiaram totalmente a casa comercial ‘Jázimo & Pinto’, da viúva do Coronel João Jázimo Pinto, a Senhora Isabel Sabina Filha, conhecida como Dona Bebela de João Jázimo.

Dentre os cidadãos presos estava o Coronel Francisco Pinto, prefeito municipal, que obteve sua liberdade mediante pagamento de vultuosa quantia e pela eficaz e enérgica intervenção do padre Benedito Alves, vigário da cidade, que intercedia piedosamente pelo preso já condenado à morte.

O ataque terminou às 11 horas, para alívio da pequena urbe oestana.

O eminente historiador Válter Guerra escreveu minucioso artigo sobre este episódio, intitulado “A Madrugada do Terror”, publicado no jornal “Gazeta do Oeste”.

Neste mesmo dia o Coronel Francisco Pinto enviou mensageiro especial a Mossoró, montado em fogoso alazão, com a missão de procurar o seu parente Rodolfo Fernandes e entregar uma missiva, com pormenores que soubera por terceiros, de que o celerado grupo de Lampião tencionava atacar Mossoró. O historiador Raimundo Nonato aborda este fato em seu livro ‘Lampião em Mossoró’, à pág. 53[10].

Por ocasião do ataque, Apody assumira o aspecto de cidade saqueada e sitiada, invadida que fora pelos bandidos comandados por Massilon, deflagrando os mais hediondos crimes, enormes pela truculência e brutalidade com que foram perpetrados.

Esse episódio fora antecedido, em 12 de maio de 1925, pelo denominado “Fogo de Pedra de Abelhas”, também relatado na obra mencionada do historiador Marcos Pinto, e que tem relação direta com os acontecimentos acima relatados:

Neste dia ocorreu o famoso “Fogo de Pedra de Abelhas”. Os truculentos Décio Holanda e seu sogro Tilon Gurgel arregimentaram vultoso grupo de jagunços, em consonância com Martiniano Porto, primo do bandido Júlio Porto, componente do bando de Lampião, espalhando o terror em Apody e região.

Como era do seu dever, o Coronel João Jázimo comunicou ao governador José Augusto a triste e vexatória situação vivida no Apody e região circunvizinha. De imediato o chefe do Executivo Estadual encaminhou um contingente policial composto por 40 praças, comandado pelo Capitão Jacinto Tavares, exemplar oficial da Polícia Militar do Estado que ficou aquartelada em Apody.

Na manhã de 12 de maio a tropa dirigiu-se até a povoação de “Pedra de Abelhas” objetivando efetuar a prisão de Décio, Tilon Gurgel e toda a jagunçada. Antes da força policial chegar ao seu destino, já Décio era sabedor de que o contingente estava vindo ao seu encontro, por mensageiro enviado por Martiniano Porto.

Quando Décio preparava-se com seus “cabras” para empreenderem fuga rumo ao Ceará, eis que surge a tropa policial, travando-se cerrado tiroteio, culminando com a debandada da jagunçada rumo ao Rio Apody, morrendo na ocasião um “cabra” de Tylon Gurgel, por nome Mamédio Belarmino dos Santos, da família dos “Caboclos”, daquela paragem.

Após esse entrevero bélico, a tropa policial retornou ao Apody, com a missão de retornar no dia seguinte, o que não se efetivou pelas informações concretas de que o grupo armado se homiziara no Ceará.

Depois desta ocorrência coibitiva, voltou a reinar a paz naqueles rincões, mas não satisfeitos com a reprimenda policial, eis que Martiniano, Tilon, e seu genro Décio (primo do coiteiro Izaías Arruda, protetor de Lampião[11]) tramam e efetivam o famoso ataque de 10 de maio de 1927 à cidade do Apody, contando com o empenho de Massilon Leite, comandando parte do grupo de Lampião.

Continua...

PARA ENTENDER O QUÊ SE EXPÕE AQUI, É CONVENIENTE LER OS TEXTOS ANTERIORES POSTADOS EMwww.honoriodemedeiros.blogspot.comPROCURE Cangaço, DENTRE OS Marcadores, E LEIA TUDO QUANTO FOI ESCRITO ACERCA DO TEMA.

[1] “MOSSORÓ E O CANGAÇO”; Coleção Sociedade Brasileira do Cangaço; volume V; Fundação Vingt-Un; Coleção Mossoroense; Série “C”; Vol. 950; junho de 1997; Co-edição com EFERN-UNED de Mossoró; Mossoró, RN.

[2] Jerônimo Lahyre era neto de Jerônimo Rosado com quem morava desde a morte de seu pai Jerônimo Rosado Filho. A entrevista foi concedida a Ilná Rosado.

[3] Jararaca.

[4] Sérgio Dantas, em “LAMPIÃO E O RIO GRANDE DO NORTE”, obra citada.

[5] O termo utilizado foi exatamente esse.

[6] Do Coronel.

[7] “LAMPIÃO E O RIO GRANDE DO NORTE”; Dantas, Sérgio; Cartgraf Gráfica Editora; 2005; 1ª edição; Natal, RN.

[8] “DATAS E NOTAS PARA A HISTÓRIA DO APODY”; Coleção Mossoroense; Série “C”; Volume 1.164; Mossoró, RN; 2001.

[9] Aqui há um evidente equívoco. Não se tratava de “parte do bando de Lampião”.

[10] Grifei.

[11] Aqui se trata de outro equívoco. Não havia qualquer parentesco entre Décio Hollanda e Isaías Arruda.

(*) Mestre em Direito; Professor de Filosofia do Direito da Universidade Potiguar (Unp); Assessor Jurídico do Estado do Rio Grande do Norte; Advogado (Direito Público); Ensaísta. 

http://honoriodemedeiros.blogspot.com.br/

O cantor João Mossoró fará Show no "Mercadão Cadegue"

Cantor João Mossoró

Sábado, dia 3 de Outubro, o cantor João Mossoró estará se apresentando  no Mercadão Cadegue, no restaurante "CANTINHO DAS CONCERTINAS"no Rio de Janeiro, a partir da 12;00 horas. No seu Show terá a participação do conjunto  AMIGOS DO ALTO MINHO  (de musica Portuguesa).

Os três irmãos: João Mossoró, Hermelinda Lopes e Carlos André

O cantor receberá em seu show a irmã, também cantora, Hermelinda Lopes, que estará completando mais um ano de vida.


http://blogdomendesemendes.blogspot.com

ALCINO, MEU PAI: RETRATO INACABADO - IV (Crônica)

Por: Rangel Alves da Costa(*)
Rangel Alves da Costa

ALCINO, MEU PAI: RETRATO INACABADO - IV

Durante as três ocasiões em que foi prefeito de Nossa Senhora da Conceição do Poço Redondo (1966/1970 – 1973/1977 – 1982/1988), Alcino Alves Costa jamais mudou sua postura de homem comum, pessoa simples, acessível aos irmãos de sol, sertanejo igual aos demais.

Sempre levando nos pés a inseparável havaiana, costumeiramente de camisa de malha fechada, listrada tantas vezes, deitada ao ombro, nem parecia líder político, prefeito, primeiro mandatário do lugar. Altas horas da noite, quando a lua grande brilhava intensa e o silêncio se alongava pelas plagas matutas, lá ia Alcino com sua radiola, discos debaixo do braço, para a pracinha da matriz. Sem cantar, era o seresteiro da noite, o eterno apaixonado pela plangência da melodia caipira.

De sorriso largo, tez morena, mantinha sua liderança política como se convivesse em meio a uma grande família. Fato curioso que não era apenas prefeito, mas tantas vezes o farmacêutico do lugar, pois mantinha uma verdadeira farmácia com aqueles medicamentos sempre indicados em casos de dor de cabeça, de dente, diarréia e coisa e tal.


E não poderia ser diferente, ao assumir a prefeitura em 66, mesmo sendo territorialmente o maior município de Sergipe, Poço Redondo era totalmente esquecido pelos poderes, abandonado à sua sorte, sobrevivendo da luta do seu povo. Com as estiagens constantes, a pobreza se alastrando, a miséria gritando em todo canto, qualquer auxílio que chegasse para minorar o sofrimento do povo era uma dádiva de Deus.

Nessa época, e mesmo até muito tempo depois, não havia hospital ou maternidade, sequer uma casa de parto. As velhas parteiras tinham de dar conta do recado à luz do candeeiro. Somente depois surgiu um posto da Fundação SESP e um posto médico construído e mantido pelo próprio município. E com atendimento médico somente aos sábados, sob os auspícios do Dr. Jaime, figura humana considerável que marcou época no atendimento à população.

Contudo, as consultas eram poucas e as enfermidades multiplicadas. A extensão do município e o acesso às unidades de saúde mais distantes implicavam num problema grave para a população, e que caberia ao prefeito resolver. Por isso mesmo que Alcino mantinha remédios de utilidade geral sempre ao dispor, de modo que no meio da noite ninguém ficasse sem, por exemplo, um Anador.

Mesmo meninote, lembro bem da constância em que pessoas, nas altas horas da noite ou já madrugada, chegavam batendo à porta: “Chega Alcino, arranje um carro que fulana de tal tá com dor de parir e é coisa que só hospital dá jeito”, “Acuda Alcino, que num sei quem deu uma dor no pé da barriga que tá em tempo de se acabar”, “Socorro, Alcino arrume um carro pelo amor de Deus que sicrana tá com uma dor de correr doida”. E chega, chega, chega, era tudo um aperreio danado.

Tudo longe demais, estradas de chão, sem nem pensar em ambulância naqueles idos, carros caindo os pedaços, então era realmente uma situação muito difícil para o prefeito resolver. E quando alguém falecia a despesa com o caixão artesanal, feito ali mesmo na serraria, era responsabilidade da prefeitura. Tantas vezes do próprio prefeito.

E um costume que se alastrou e sucedeu até o seu último mandato, já no final dos anos 80, merece ser citado, principalmente porque através dele se pode dimensionar a pobreza que se abatia – e continua assim – sobre inúmeras famílias. Eis que todo dia de feira, e mesmo noutros dias, Alcino pagava do próprio bolso dezenas de pequenas cestas de alimentos. Quilo disso e daquilo, mas tudo essencial, cada um garantia seu alimento de poucos dias.

Num tempo de bodegas e mercearias, pequenas vendas de balcão e de um tudo, caderninhos eram especialmente mantidos nas gavetas com o nome de Alcino. As pessoas iam lá, diziam a mando de quem tinham ido para receber o alimento, e depois tudo era anotado com a letra quase sempre ilegível do vendedor de pouca leitura. Só não errava nos números. Assim era na bodega de Missiinha, de Dom, de Zé Preto, na mercearia de Seu João e assim por diante.

Entretanto, não significa que agindo assim Alcino tenha estabelecido aquilo que sociologicamente se chama assistencialismo. E não porque ele não prestava tanta assistência aos seus munícipes objetivando manter currais eleitorais ou fazendo da assistência uma forma de submissão e atrelamento à sua liderança política. Fazia, isto sim, porque conhecedor profundo das carências, das necessidades absolutas do povo, da face horrenda da miséria.

Ora, ele não fazia pouso nem descanso no seu gabinete, não tinha antessala para receber pessoas, não burocratizava as relações com os seus. Alcino vivia nas ruas, nos becos, nas distâncias, em Sítios Novos, em Santa Rosa, em Curralinho, em Bonsucesso, nas Areias, nas Queimadas, na Guia, em todo lugar onde precisasse sentir como a população estava passando e quais as necessidades mais prementes. 
  
Quando prefeito pela primeira vez, a partir de 66, já era casado, e com três filhos, Nagel, nascido em 62, Rangel em 63 e Ustane em 66. Casou ainda na curva do ano de 1959, com menos de vinte anos, com a moça mais bonita do lugar, Maria do Perpétuo Alves, filha de Teotônio Alves China e Marieta Alves de Sá, família de reconhecido quilate em toda a região sertaneja.

Seu China do Poço, assim conhecido, era um pequeno comerciante, bodegueiro de venda ao lado da moradia, mas cuja influência prosperava através dos amigos que recebia em sua casa para repasto e repouso. Tanto Lampião como Padre Arthur Passos recebiam acolhida do amigo e lambiam os beiços com os pratos sertanejos deliciosos preparados por Dona Marieta.


Acerca da amizade entre aquele que mais tarde viria a ser o sogro de Alcino e o Capitão Lampião, certa feita escrevi:

“Quando estava nos arredores do lugarejo mandava logo um coiteiro avisar ao meu avô materno Teotônio Alves China, o China, um respeitado comerciante do lugarejo, que providenciasse comida que em tal dia e tal hora ele chegaria por lá. Se não confiasse, se não fosse realmente amigo, jamais mandaria avisar ode estava e quando faria uma visita.

E Dona Marieta, coitada, minha avó, colocava as mãos na cabeça e ficava em tempo de endoidar. "Mai o que foi Marieta, só pruque o cumpade Lampião vem aqui você fica assim, e ói qui aqui ele nunca foi um estranho pra nóis não, pelo cuntraro. É nosso amigo e bom amigo. Entonce deixe de avexamento e vá arrumar os cabrito". Então minha avó respondia: "Mai num é isso não China, o poblema é qui o Pade Artur vai tá aqui na merma data qui o Capitão chegar. E cuma vai ser, Deus e o diabo numa casa só?".
E o encontro realmente aconteceu. Os donos da casa com nervos à flor da pele, mas tudo foi resolvido da melhor maneira possível. Nem Lampião quis afrontar o da igreja quando chegou à residência e ficou sabendo de sua presença num dos aposentos, providencialmente tirando uma soneca, nem este se levantou cheio de ira querendo exorcizar o cangaceiro.

Sem demonstrar receios nem olho feio de lado a outro, mais tarde estavam dividindo a mesma mesa e comendo gulosamente a carne de bode, a buchada, a galinha de capoeira e tudo que havia sido preparado com esmero e muito tempero por Dona Marieta. Mesmo na calma tão implorada aos céus, a dona da casa bambeava as pernas finas de tanta preocupação. A hóstia e o sangue olhando olho no olho era difícil demais de acreditar.

E dizem os pesquisadores que nesta oportunidade Lampião perguntou ao padre se ele e seu bando poderiam assistir a missa de agosto em comemoração a Nossa Senhora da Conceição, padroeira do lugar. E recebeu resposta positiva, desde que deixassem as armas do lado de fora. Certamente só foram emparelhadas externamente o armamento pesado, vez que cangaceiro algum iria ficar desarmado por um só instante, ainda que assistindo missa, dentro da igrejinha.
Continua...

Biografia do autor:

(*) Meu nome é Rangel Alves da Costa, nascido no sertão sergipano do São Francisco, no município de Poço Redondo. Sou formado em Direito pela UFS e advogado inscrito na OAB/SE, da qual fui membro da Comissão de Direitos Humanos. Estudei também História na UFS e Jornalismo pela UNIT, cursos que não cheguei a concluir. Sou autor dos eguintes livros: romances em "Ilha das Flores" e "Evangelho Segundo a Solidão"; crônicas em "Crônicas Sertanejas" e "O Livro das Palavras Tristes"; contos em "Três Contos de Avoar" e "A Solidão e a Árvore e outros contos"; poesias em "Todo Inverso", "Poesia Artesã" e "Já Outono"; e ainda de "Estudos Para Cordel - prosa rimada sobre a vida do cordel", "Da Arte da Sobrevivência no Sertão - Palavras do Velho" e "Poço Redondo - Relatos Sobre o Refúgio do Sol". Outros livros já estão prontos para publicação. Escritório do autor: Av. Carlos Bulamarqui, nº 328, Centro, CEP 49010-660, Aracaju/SE.



Poeta e cronista
blograngel-sertao.blogspot.com   


terça-feira, 30 de outubro de 2012

Benedito Ruy Barbosa escreve série sobre cangaço

Por Alberto Pereira Jr.
O dramaturgo Benedito Ruy Barbosa, que prepara uma série sobre cangaço.
Mastrangelo Reino - 25.out.10/Folhapress

Benedito Ruy Barbosa, 81, tem três projetos seus na fila por um espaço na programação da Globo. Além de uma série sobre o poeta baiano Castro Alves (1847-1871) e uma novela das 21h chamada "Velho Chico", Benedito entregou recentemente à direção da emissora o texto de uma série ambientada no cangaço.

Intitulada "O Cerco", a trama se passa no nordeste do Brasil e começa no dia da morte de Lampião e Maria Bonita. 


"A ideia é mostrar o outro lado do cangaço, as pessoas que sofreram com os desmandos políticos", contou o autor à Folha.

Na história, um bando de cangaceiros se refugia em uma fazenda, enquanto os milicianos se aproximam para liquidá-los. Segundo Benedito Ruy Barbosa, "O Cerco" pode ser adaptado como uma série ou como uma novela para o horário das 23h, recentemente ocupado pelo remake de "Gabriela".

Fontes:
Folha UOL
http://lampiaoaceso.blogspot.com

A expectativa de um Novo Ataque


Matéria de 1927, publicada no jornal "O Mossoroense", no dia 17 de Outubro de 2012, em comemoração aos 140 anos de sua fundação.

Sob o título Mossoró continua em armas, na expectativa de um novo ataque, a primeira página do jornal dedica seu espaço para publicar as informações mais recentes referentes aos ataques do bando de Lampião a Mossoró.

turismo.culturamix.com

O texto dizia que a cidade ainda estava apreensiva quanto à possibilidade de um novo ataque “pela horda canibalesca de Virgulino Lampião, este terrível quadrilheiro do Nordeste, pelo insucesso do assalto que levou a efeito na noite de 13”.

No mesmo número também é destacado que o Lampião teria se refugiado, após a derrota sofrida em Mossoró, na zona do Jaguaribe, cidade do Jaguaribe, cidade de Limoeiro, no Ceará.

Ainda na edição de 25 de Junho de 1927, são publicados trechos de uma entrevista concedida pelo próprio Lampião ao jornal “O Nordeste”, de Fortaleza. No tópico referente à Mossoró, o cangaceiro frisou:

FOTO
Lampião

“Houve boa resistência em Mossoró, porém não me desagradou o resultado da luta; os inimigos estavam bem entrincheirados, mas consegui com 34 homens apenas, fazê-los recuar, abandonando as trincheiras; chegamos a tomar a cidade, mas em vista “tenente” 

O cangaceiro Sabino Gomes

Sabino Gomes ter caído em uma emboscada na frente da casa do chefe político; fui obrigado a fazer a retirada; o grosso de minhas tropas atinge a 190 homens e a retaguarda da mesma ficou sob comando de Luiz Pedro”.

O cangaceiro Luiz Pedro

Na mesma entrevista Lampião nega que tenham morridos bandidos de seu grupo, uma vez que, segundo ele, Jararaca não pertencia ao bando.


Em 03 de Julho de 1927, o jornal repercute entrevista com a senhora Maria José Lopes, ex-prisioneira da quadrilha de Lampião, que passou 16 dias como refém do bando. 

O que resta da fazenda Aroeira, de onde a Sra. Maria José Lopes foi sequestrada pelo bando. Zona rural da cidade de Paraná. - Acervo do historiógrafo Rostand Medeiros

“O bando aprisionou-me pelas 11h do dia 10 de Junho, no sítio da minha propriedade denominada Aroeira, do município de Luis Gomes. Logo os bandidos cometeram as maiores depredações, maltrataram-me, bem assim pessoas de minha família, quebrando toda mobília de casa, queimando alguns utensílios e conduzindo ainda pequenos objetos”, disse a senhora.

Questionada sobre onde havia ficado durante a invasão do bando a Mossoró, Maria José Lopes respondeu que os prisioneiros estavam bem perto da cidade, sob a mira de seis bandidos. “Após o ataque desta cidade, nada ouvi dos bandidos sobre resultado; e daqui partimos às 6h30 da noite. O grupo foi descansar em um roçado distante três léguas”, disse.

Em 17 de Julho, o jornal destaca informações repassadas por meio de carta por uma pessoa vinda do Ceará, que apontava o local onde o bando estava refugiado após a derrota em Mossoró. “A perseguição a Lampião no Estado do Ceará tem sido uma vergonha. É sabido que o prefeito de Missão Verde é um c´lebre protetor de Lampião, dizia trechos da reportagem.

Fonte de pesquisa:
Jornal O Mossoroense.
Caderno especial em 17 de Outubro de 2012.

Do acervo do escritor e pesquisador: Kydelmir Dantas

http://blogdomendesemendes.blogspot.com 

DONA LICA, A REZADEIRA


Por: Clerisvaldo B. Chagas, 30 de outubro de 2012. Crônica Nº 886

DONA LICA, A REZADEIRA

Sou daqueles que acreditam que Jesus deixou poderes para seus seguidores diretos. Mas, mesmo nos tempos presentes, muitos mistérios ainda surgem no mundo inteiro como partes divinais. Nascido e criado no Sertão de Alagoas, fui ouvindo, vendo e respeitando histórias e ações. O próprio Lampião mesmo rondou por várias vezes a casa de seu Rodrigues na Ribeira do Capiá. 


O velho não desejava vê-lo e fazia suas orações para tal. Certo dia, porém, Lampião mandou recado que queria conversar com ele e que não tivesse receio, que não lhe faria mal nenhum. Rodrigues acedeu até que o chefe de bando chegou a sua fazenda, acampando nas imediações da casa-grande. O velho Rodrigues foi lá e Lampião afastou-se com ele, dos cangaceiros e disse saber da sua vidência e orações consideradas fortes. Queria apenas duas ou três delas contra os “macacos”. O velho falou que não sabia escrever. Lampião pegou um lápis e uma caderneta e foi garatujando o papel. Por fim, o bandoleiro agradeceu e foi embora. O velho Rodrigues continuou com suas devoções para manter o bandido afastado da sua fazenda. O homem morreu com 104 anos, predizendo com antecedência a data correta e a hora da sua futura morte.

No pátio da nossa escola uma mangueira bonita e formosa, enfeitava-se ainda mais quando se aproximava a florada. Numa ocasião notei uma tristeza na planta. Percebi que ela estava doente e pensei que o problema fazia parte do solo encharcado da região.  Passados mais alguns dias, o problema se agravava, quando um estalo despertou a consciência. Aquilo era olho grande, olhado, como falam por aí. Procurei saber se alguém conhecia uma rezadeira. Indicaram dona Lica e sua morada. Fui lá imediatamente. Uma casa humilde no meio de outras com os mesmos aspectos, na entrada da cidade. Dona Lica marcou a hora e com pontualidade chegou para espiar a mangueira, quando foi logo dizendo: “olho grande. O senhor devia ter me procurado antes, mas vou rezar três vezes na planta. Em geral só rezo uma. Mas, devido à situação...” Rezada às três vezes, a planta deixou de morrer e voltou a ser como era antes.

Admiro e respeito os rezadores, as rezadeiras, benzedeiras com esses nomes ou com outros quaisquer. É o dom de Deus agindo nos humildes e respeitadores dos princípios de Jesus. Ah! Para mim não importa de quem duvida. Tenho ainda muitos exemplos nos bornais. Nem sei se ainda é viva, DONA LICA, A REZADEIRA.

Autobiografia do autor: 

Clerisvaldo Braga das Chagas nasceu no dia 2 de dezembro de 1946, à Rua Benedito Melo ( Rua Nova) s/n, em Santana do Ipanema, Alagoas. Logo cedo se mudou para a Rua do Sebo (depois Cleto Campelo) e atual Antonio Tavares, nº 238, onde passou toda a sua vida de solteiro. Filho do comerciante Manoel Celestino das Chagas e da professora Helena Braga das Chagas, foi o segundo de uma plêiade de mais nove irmãos (eram cinco homens e cinco mulheres). Clerisvaldo fez o Fundamental menor (antigo Primário), no Grupo Escolar Padre Francisco Correia e, o Fundamental maior (antigo Ginasial), no Ginásio Santana, encerrando essa fase em 1966.Prosseguindo seus estudos, Chagas mudou-se para Maceió onde estudou o Curso Médio, então, Científico, no Colégio Guido de Fontgalland, terminando os dois últimos anos no Colégio Moreira e Silva, ambos no Farol Concluído o Curso Médio, Clerisvaldo retornou a Santana do Ipanema e foi tentar a vida na capital paulista. Retornou novamente a sua terra onde foi pesquisador do IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Casou em 30 de março de 1974 com a professora Irene Ferreira da Costa, tendo nascido dessa união, duas filhas: Clerine e Clerise. Chagas iniciou o curso de Geografia na Faculdade de Formação de Professores de Arapiraca e concluiu sua Licenciatura Plena na AESA - Faculdade de Formação de Professores de Arcoverde, em Pernambuco (1991). Fez Especialização em Geo-História pelo CESMAC – Centro de Estudos Superiores de Maceió (2003). Nesse período de estudos, além do IBGE, lecionou Ciências e Geografia no Ginásio Santana, Colégio Santo Tomaz de Aquino e Colégio Instituto Sagrada Família. Aprovado em 1º lugar em concurso público, deixou o IBGE e passou a lecionar no, então, Colégio Estadual Deraldo Campos (atual Escola Estadual Prof. Mileno Ferreira da Silva). Clerisvaldo ainda voltou a ser aprovado também em mais dois concursos públicos em 1º e 2º lugares. Lecionou em várias escolas tendo a Geografia como base. Também ensinou História, Sociologia, Filosofia, Biologia, Arte e Ciências. Contribuiu com o seu saber em vários outros estabelecimentos de ensino, além dos mencionados acima como as escolas: Ormindo Barros, Lions, Aloísio Ernande Brandão, Helena Braga das Chagas, São Cristóvão e Ismael Fernandes de Oliveira. Na cidade de Ouro Branco lecionou na Escola Rui Palmeira — onde foi vice-diretor e membro fundador — e ainda na cidade de Olho d’Água das Flores, no Colégio Mestre e Rei.

Sua vida social tem sido intensa e fecunda. Foi membro fundador do 4º  teatro de Santana (Teatro de Amadores Augusto Almeida); membro fundador de escolas em Santana, Carneiros, Dois Riachos e Ouro Branco. Foi cronista da Rádio Correio do Sertão (Crônica do Meio-Dia); Venerável por duas vezes da Loja Maçônica Amor à Verdade; 1º presidente regional do SINTEAL (antiga APAL), núcleo da região de Santana; membro fundador da ACALA - Academia Arapiraquense de Letras e Artes; criador do programa na Rádio Cidade: Santana, Terra da Gente; redator do diário Jornal do Sertão(encarte do Jornal de Alagoas); 1º diretor eleito da Escola Estadual Prof. Mileno Ferreira da Silva; membro fundador da Academia Interiorana de Letras de Alagoas – ACILAL.

Em sua trajetória, Clerisvaldo Braga das Chagas, adotou o nome artístico Clerisvaldo B. Chagas, em homenagem ao escritor de Palmeira dos Índios, Alagoas, Luís B. Torres, o primeiro escritor a reconhecer o seu trabalho. Pela ordem, são obras do autor que se caracteriza como romancista: Ribeira do Panema (romance - 1977); Geografia de Santana do Ipanema (didático – 1978); Carnaval do Lobisomem (conto – 1979); Defunto Perfumado (romance – 1982); O Coice do Bode (humor maçônico – 1983); Floro Novais, Herói ou Bandido? (documentário romanceado – 1985); A Igrejinha das Tocaias (episódio histórico em versos – 1992); Sertão Brabo CD (10 poemas engraçados).


Texto – João Mossoró, o canto do Nordeste na voz de um menestrel

Por:  Higino Canuto Neto - de Juazeiro – Bahia
João Mossoró, Hermelinda Lopes e Oséas Lopes (Carlos André) - Trio Mossoró

“João Batista Almeida Lopes, conhecido artisticamente por João Mossoró, começou a carreira musical em 1956, quando participou com seus irmãos Oséas Lopes e Hermelinda, do lendário Trio Mossoró, uma homenagem à cidade natal, no Estado do Rio Grande do Norte.

Com a formação do Trio Mossoró, com Oséas na sanfona, Hermelinda no triângulo e João Mossoró no zabumba, o grupo seguiu a mesma estética introduzida por 


Luiz Gonzaga, caracterizada pela forte representação nordestina, nas vestimentas com o gibão e o chapéu de couro e nas músicas a cadência rítmica alegre e festeira do xote, do xaxado e do baião.

José Messias

Apadrinhado por personalidades como José Messias, que atualmente é jurado do programa do Raul Gil e o poeta cantador Luiz Vieira, o Trio teve o privilégio de contar com a parceria de grandes compositores como Antonio Barros, Cecéu, Anastácia, Dominguinhos e o maranhense João do Vale.

Em 1965, conquistaram o troféu Elterpe, o prêmio de maior importância da Música Popular Brasileira, na época. A cerimônia de premiação aconteceu no Palco do Teatro Municipal do Rio de Janeiro, tendo como sucesso premiado a música “Carcará”, composta por João do Vale e José Cândido. No mesmo ano, Maria Bethânia também gravou a canção que se tornou sucesso nacional e símbolo da resistência do povo nordestino ante as agruras da seca e o sistema repressor ditatorial que governava o Brasil na época.

Durante o tempo em que tocava nos programas na Rádio Mairink Veiga, João Mossoró conheceu e trabalhou com Luiz Gonzaga, tocando zabumba. Pelo Rei do Baião foi apelidado de Cibito, numa referência às suas pernas, cuja alcunha providenciou gravar em seu instrumento a frase “Cibito – O rei do zabumba”.

O Trio Mossoró se desfez em 1972 com 12 LP´s gravados, verdadeiras referências do cancioneiro nordestino em todo o Brasil. Em carreira solo, João Mossoró se manteve fiel às suas raízes, divulgando a sua arte como um menestrel dos cantares e saberes do povo nordestino.

Em 2004 o artista concretiza o seu desejo de prestar uma homenagem ao seu ídolo maior – Luiz Gonzaga, gravando o CD ‘O Mito e a Arte de Luiz Gonzaga’, com reconhecimento pelo critico e historiador musical Ricardo Cravo Albin, que dedicou todo um programa transmitido pela Rádio MEC à divulgação do trabalho. O Sucesso do disco rendeu um novo álbum: ‘O Mito e a Arte de Luiz Gonzaga’ – volume 2, complementando o ciclo de homenagens, prefaciado pelo Cravo Albin que escreveu: ‘bela voz, lindo repertório, tudo isso faz deste disco uma alegria em ligar o aparelho de som, no mais das vezes, emudecido por lançamentos bisonhos, quase insuportáveis’.

Em seu mais recente CD ‘Conexão Nordeste – O Arauto das Raízes Nordestinas’, João Mossoró interpreta canções de outros artistas também consagrados (Belchior, Chico Salles, Gonzaguinha, Nando Cordel, Dominguinhos, dentre outros), como num reconhecimento pela cumplicidade em produzir música de qualidade inspirado pela essência que brota do interior profundo do nordeste brasileiro.

Juntamente com seus irmãos Oséas e Hermelinda, João Mossoró insere o estado do Rio Grande do Norte na geografia musical brasileira, com a mesma grandiosidade com que

Jackson do Pandeiro

Jackson do Pandeiro introduziu a Paraíba, com a mesma intensidade com que João do Vale revelou o Maranhão e o mesmo ideal e devoção com que Luiz Gonzaga apresentava ao Brasil o seu estado Pernambuco, carregando todo o sentimento nordestino em sua genialidade musical.

João Mossoró é um arauto, um menestrel, um dos últimos ícones do forró em plena atividade, contemporâneo de outros forrozeiros históricos que o Brasil precisa reconhecer e aplaudir em sua grandiosidade.”

Enviado pelo cantor João Mossoró


http://blogdomendesemendes.blogspot.com