Seguidores

sexta-feira, 20 de setembro de 2019

LINHA DE TREM MOSSORÓ/RN – SOUZA/PB

Por Edvaldo Morais

Por muitos anos o trajeto Mossoró/Souza (ida e volta), na via férrea, transportava passageiros e cargas, tendo em seu itinerário cidades como Governador Dix-Sept, Caraúbas, Patu, Almino Afonso, Alexandria, dentre outras, entrando pela Paraíba até o destino final, a cidade de Souza, distante cerca de duzentos e quarenta quilômetros da terra de Santa Luzia. 

(Foto: Arquivo CBTU)

e Souza podia-se fazer conexão em outro trem até Recife/PE. A saída da composição em Mossoró era por volta das duas da tarde e a viagem chegava ao final pelas nove da noite. 

Na época eu morava na Rua Coronel Fausto, próximo a linha férrea e gostava, junto com os coleguinhas, de ir ver o trem passar. A locomotiva, seu estridente apito, os maquinistas acenando, passageiros acomodados que iam ficando nas cidades do trajeto, enquanto outros embarcavam. 

Uma longa viagem controlada pelo serviço de radio transmissor da REFESA/Mossoró. Um dos operadores era o saudoso Manoel Vicente de Morais, do Alto da Conceição. Velhos tempos, belos dias. 


http://blogdomendesemendes.blogspot.com

25 DE DEZEMBRO DE 1929, NO “DIARIO OFICIAL DO ESTADO DA BAHIA”

Do acervo do professor e pesquisador do cangaço Rubens Antonio.

SECRETARIA DA POLICIA

Portaria

O Secretario da Policia e Segurança Publica, no uso de suas attribuições, tendo em vista o art. 11 da Lei n. 1897, de 2 de agosto de 1926, resolve designar o bacharel em direito João Mendes da Costa Filho, delegado de policia do termo séde da comarca de Maragogipe, para em commissão proceder o inquerito de referencia aos crimes commetidos na Villa de Queimadas, da comarca do Bomfim, por Virgolino Ferreira da Silva, vulgo “Lampeão” e outros, para onde deverá se transportar, afim de apurar as responsabilidades dos seus auctores e bem assim, de quantos prestaram auxilios para a practica desses crimes.

Secretaria da Policia e Segurança Publica, em 24 de Dezembro de 1929
Bernardino Madureira de Pinho.


http://blogdomendesemendes.blogspot.com

14 DE MAIO DE 1928 - ANTONIO SOUZA


Do acervo do professor e pesquisador do cangaço Rubens Antonio

14 de maio de 1928, no “A Tarde”:

O BANDO
de Antonio Souza

Uma força volante do Ceará destroçou–o em Araripe.

De conformidade com as bases do convenio policial, os Estados limitrophes ao da Bahia não dão treguas ao bando do destemido cangaceiro Antonio Souza, que ha dias vem revolucionando o sertão bahiano.

Hontem, o dr. Madureira de Pinho, secretario da Policia, recebeu do seu collega do Ceará o seguinte telegramma:

“Acaba de ser destroçado na serra do Araripe o grupo do bandido Antonio Souza, pela volante do ten. Aristides Rosa, que continua perseguindo os bandoleiros. Morreu na luta o bandido José Pereira, sendo capturado o criminoso Firmino e apprehendidos tres animaes.

Telegraphei nosso prezado collega de Recife, pedindo concurso companhia volante tenente Arindo, empenhada como se acha esta chefia em auxiliar o exterminio do banditismo. Saudações cordiaes. – (a) Paulo Pessoa, chefe de policia.”


http://blogdomendesemendes.blogspot.com

quinta-feira, 19 de setembro de 2019

CANGACEIRA INACINHA


THIAGO MENEZES RETORNA COM SEUS TRABALHOS DE PESQUISAS DE CAMPO NO SEU "ODISSEIA DO CANGAÇO"

ELE NOS PRESENTEIA COM UM TRABALHO REALIZADO NO RASO DA CATARINA NA CASA CENTENÁRIA DA IRMÃ DA COMPANHEIRA DO CANGACEIRO GATO. A CANGACEIRA INACINHA

https://youtu.be/SYRGnZQNng0 Thiago voltando, é um bom rapaz.


http://blogodmendesemendes.blogspot.com


ALCINO, CLEMILDA E GÉRSON FILHO

*Rangel Alves da Costa

Antes mesmo dos anos 70, principalmente a partir da primeira gestão de Alcino Alves Costa (1967-1970) no comando da prefeitura de Poço Redondo, os laços de amizade entre o jovem prefeito e os forrozeiros Clemilda e Gérson Filho foram muito estreitados, tendo este casal uma porta sempre aberta no sertão sergipano.
Clemilda e Gérson Filho, nascidos nas Alagoas e migrados para Sergipe após uma breve estadia no sul do país, já eram reconhecidos nacionalmente quando Alcino abriu-lhes as portas de Poço Redondo. Antes disso, o contato dos artistas com o sertão era apenas no vai e vem das raras apresentações, para mais tarde se transformar em constante convívio.
Ora, desde aqueles tempos que Alcino se mostrava um apaixonado pela autêntica música da terra, tanto no forró como na viola de pinho. E tal paixão redundou na maior festa forrozeira já vista no sertão sergipano. Foi naqueles idos dos meados de 70 que nada menos que doze artistas famosos chegaram a Poço Redondo para uma inesquecível apresentação.
O “Fino da Roça” estava em Poço Redondo. Festança de rua, tomando a extensão da atual Rua Prefeito João Rodrigues, tendo a carroceria de um caminhão como palco, nomes famosos como Elino Julião, João do Pífano, Messias Holanda, Pedro Sertanejo, Genival Lacerda, Clemilda e Gérson Filho, dentre tantos outros, tornaram inesquecível aquela noite sertaneja.


Foi nesta estadia que Messias Holanda encontrou o mote para compor (a partir de ideia de Alcino) um de seus grandes sucessos: Mariá: “Pra onde vai com essa trouxona danada Mariá, na cacimba só tem água pra beber. Pouca água deixa a roupa mal lavada Mariá, lavar roupa, também tem o que aprender. Bota pouco pano nessa trouxa Mariá, nesse tempo não tem água pra gastar. Leve a colcha eu preciso dessa colcha, abra a trouxa, bote a colcha, leve a colcha pra lavar...”.
A Mariá da música ainda pode ser avistada ao frescor do entardecer na calçada de sua filha Neide, precisamente na Avenida Alcino Alves Costa. Também exercendo o ofício de lavadeira no passado e residindo noutro local, Alcino passou com Messias Holanda no exato momento em que Mariá seguia com uma trouxa de roupas na cabeça. E daí ter nascido a música que tanto sucesso fez e hoje se constitui em relíquia sertaneja.
Mas como dito, Clemilda e Gérson Filho passaram a ser presença constante em Poço Redondo e em tamanha amizade com Alcino que se tornaram como se fossem “de casa”. E foi como reconhecimento dessa amizade que Gérson Filho incluiu no LP “Ingazeira do Norte”, de 1969, o “Forró em Poço Redondo”. A composição dessa música deu, contudo, o que falar, correndo até o risco de se transformar em verdadeira tragédia entre dois forrozeiros.
As desavenças em torno do “Forró em Poço Redondo” ocorreram entre o próprio Gérson Filho e outro famoso forrozeiro, alagoano de Traipu, mas sempre no sertão sergipano, chamado Dudu Ribeiro. Além de seu terno de linho branco, baixa estatura, chapéu grande e imponente, e maestria na sanfona, Dudu Ribeiro era conhecido e afamado pela sua valentia. Diziam até que tocava com uma arma escondida debaixo do chapéu.
Pois bem. Sendo também presença constante em Poço Redondo, o sanfoneiro Dudu Ribeiro procurou homenageá-lo com um forró, e assim surgiu o “Forró em Poço Redondo”. Um dia de festança no sertão, eis que encontra seu amigo Gérson Filho e começa a dedilhar sua criação. Então prontamente Gérson pede para gravar. Concessão feita, este fez alguns ajustes nos acordes e lançou em disco. Só que Gérson cometeu um erro imperdoável: não citou Dudu sequer como parceiro de composição. Até hoje consta apenas o nome de Gérson Filho como compositor.


Quando soube do acontecido, então Dudu Ribeiro virou na gota serena. Valente só bicho do mato, multiplicou sua valentia em muitas e jurou acertar as contas com Gérson. Não ia ficar barato não, segundo ele. Foi preciso que Alcino prontamente intercedesse para não acontecer o pior. Não se sabe o que ficou acertado ou como foi resolvida a questão, mas o “Forró em Poço Redondo” ganhou ainda mais fama após tal episódio.
Mas outro episódio, desta feita envolvendo Clemilda, mostra que a errônea atitude em não citar os verdadeiros compositores parecia normal ao casal de forrozeiros. A música “No sertão tudo mudou” possui letra de Alcino Alves Costa, mas no disco consta apenas Clemilda e Gérson Filho como autores. Ainda bem que não ocorreu o mesmo com o sucesso “Seca Desalmada”, que deu nome ao LP de 1973. Tal música composta por Alcino se tornou num dos maiores sucessos de toda a carreira musical da guerreira alagoana de alma sergipana.
De uma plangência sem igual, a voz afinada perante a letra genial: “Visitei o Juazeiro que fica lá no sertão, havia muito romeiro assistindo um sermão...”.

Escritor
blograngel-sertao.blogspot.com

http://blogdomendesemendes.blogspot.com

ZÉ SERENO - DEPOIMENTOS E RELATOS DE UM EX CANGACEIRO DO BANDO DE LAMPIÃO (PARTE I)

https://www.youtube.com/watch?v=9wvD-nmvqGM
Um fantástico e surpreendente depoimento, onde Zé Sereno, um ex cangaceiro do bando de Lampião, fala sobre sua vida durante o período em que integrou as hostes cangaceiras e como ele e sua companheira Sila, escaparam da morte naquela manhã de 28 de Julho de 1938 em Angico, quando a Força Volante Alagoana deu cabo de Lampião, Maria Bonita e outros nove cangaceiros.
Detalhes impressionantes que farão vocês repensarem sobre os momentos finais da vida do Rei do Cangaço.
ASSISTAM...

CANUDOS EFEITOS E RESULTADOS

https://www.youtube.com/watch?v=zf3z6ffZhCI&feature=share&fbclid=IwAR1FTIht-gaJFlxwEiO0TMt8n8M8lnB08mXBDT11AnB43opF2u5kJVvCwIQ

A guerra de canudos e seus efeitos na sociedade
Categoria

http://blogodmendesemendes.blogspot.com

OS INIMIGOS DE LAMPIÃO Por:Urbano Silva


Há exatos 81 anos após o seu falecimento, e pesquisando sobre o personagem há alguns anos, ainda me surpreendo com o interesse da população e o espaço que o cangaço tem na cultura nordestina, principalmente no destaque de Virgulino Ferreira, o Lampião, popularmente denominado o rei do cangaço

São muitas histórias, muitas delas carentes de comprovação para a sua veracidade, mas esse personagem transita entre fatos e lendas com a mesma velocidade, o que também o mantêm sempre ativo nas rodas de conversas. Entre curiosidades, ser o brasileiro mais biografado do país - mesmo tendo vivido por apenas 40 anos - e atuado como líder do cangaço de 1922 a 1938, portanto 16 anos, é um tempo relativamente curto para se tornar objeto de tantas pesquisas, literatura, debates, documentários etc. Mas, gostem ou não, esse homem é a figura central da historiografia do cangaço. 

Certa vez, conversando com uma jovem sobre o papel da mulher no referido movimento social, veio uma indagação que achei muito inteligente: professor, quem eram os inimigos do cangaço e Lampião? De pronto, lancei mão dos autores que consulto: Luitgarde, Antonio Amaury, Frederico, João Lima, Archimedes Marques, Oleone e demais valiosos intelectuais do tema.

Jorge Remígio, João de Sousa Lima, Manoel Severo e Professor Urbano Silva em dia de Cariri Cangaço

Afinal, quem era os inimigos do cangaço?  Do ponto de vista da sociologia, desprovido de qualquer paixão, aí vai o que respondi: quase toda a sociedade era contra, portanto foram vítimas que se tornaram inimigos dos cangaceiros, os seus algozes. Todo aquele que me oprime, se torna meu inimigo em potencial! Na sociedade rural do nordeste temos cenário e personagens bem definidos, uma sociedade agrícola e pecuária de sobrevivência, governos muito distante dos sertanejos, escolaridade mínima ou nula, latifúndio, forte presença católica, coronéis e cangaceiros, jagunços e volantes. 

Padres ficavam em polvorosa quando da notícia de cangaceiros, pois afugentavam os fiéis; coronéis latifundiários ficavam temerosos para resguardar familiares, dinheiro, animais e lavoura, além de serem extorquidos por cangaceiros; políticos se viam na obrigação de reagir ao cangaço, pois não fazendo perdiam a credibilidade e votos como líderes sociais; pequenos agricultores se viam ameaçados pelo coito, bem como atos violentos de estupros e raptos de suas filhas, além da pressão das volantes; volantes essas que recrutavam homens em busca de prestígio e dinheiro, dando a eles a função policial e jurídica no meio da caatinga, abrindo espaços para excessos inimagináveis; pequenos comerciantes que perdiam clientes e eram alvos de saques em plena luz do dia; viajantes que podiam ser intimados, assaltados ou surrados nos trajetos que faziam nas empoeiradas estradas sertanejas. Homens de meia idade, jovens, idosos, homens e mulheres, a violência não fazia distinção. O descontrole chegou a um ponto que cortar cabeças humanas era um passaporte para a escalada social, clima de barbárie irracional em pleno sertão nordestino do século XX.

 A arte de André Neves

No início desse texto, que denominei “quase toda a sociedade era contra...” então, se não era unanimidade, haviam personagens favoráveis? Creio que sim, um exemplo disso (existem outros mais) é Eronides Ferreira de Carvalho, o médico capitão do Exército e interventor de Sergipe, que alimentou uma relação inimaginável entre o mais temido cangaceiro e alguém que estava no comando de um Estado, como seu governador republicano. A compra e venda de fazendas, os “subgrupos de cangaceiros” criando o que escritor Frederico Pernambucano denomina Cangaço S.A, relações alimentadas por dinheiro de origem ilícita, status social, violência e muita ambição...esses personagens não eram contra o cangaço, pois dele tiraram proveito de várias formas. Um coquetel venenoso nas relações humanas desde sempre até os dias atuais!

Eis o teatro da existência humana: anjos e demônios, personagens atuantes em seus papéis sociais, num cenário que envolve todos, seja no palco ou na plateia, anônimos ou famosos, é papel da história o registro de memória e o seu fortalecimento para a consciência social.
Todo aquele que me oprime, se torna meu inimigo em potencial!

Professor José Urbano
Caruaru, Pernambuco, 07/08/1


http://blogdomendesemendes.blogspt.com

O ESTUDO DO CANGAÇO A CADA DIA APARECEM MAIS SEGUIDORES.

Por José Mendes Pereira

Parece que no Brasil (exceto a bíblia) a literatura que é mais estudada é a cangaceira, principalmente sobre o velho  guerreiro  e sanguinário capitão Lampião. Todos querem saber quem foi Lampião, o motivo de ter entrado para uma vida de desgraça, sanguinária e de ter se tornado um homem infeliz, e o porquê de ser  um homem privado de viver no meio da sociedade onde por lá nasceu. 

A comprovação de quererem saber o motivo da sua entrada no mundo do crime está no total de acessos nos blogs, nos sites, no facebook..., e que a cada dia mais gente procura entender a causa de muitos homens e mulheres terem se tornados marginais, quando antes eram pessoas que cumpriam as suas responsabilidades.

O pesquisador do cangaço Urbano Silva disse em: 


- "que Lampião é o brasileiro mais biografado do país - mesmo tendo vivido por apenas 40 anos - e atuado como líder do cangaço de 1922 a 1938, portanto 16 anos, é um tempo relativamente curto para se tornar objeto de tantas pesquisas, literatura, debates, documentários etc. Mas, gostem ou não, esse homem é a figura central da historiografia do cangaço". 

Quem estuda a vida de Lampião fica se perguntando: Será que Lampião culpava a si mesmo pelas suas desordens quando poderia ter evitado de ganhar o mundo do crime, ou culpava o José Saturnino e o José Lucena? 

Será que ele se defendia dizendo que o único culpado das suas declinações na terra era Deus, por ter trazido ele ao mundo com desejo de derramar sangue para ver o líquido escarlate formando rios pelo chão? 

Será que ele dizia que se tivesse feito a si mesmo não seria o que ele se tornou? 


Será que nas  suas orações (assim gravou na caatinga o libanês Benjamin Abraão) ele pedia a Deus que mudasse a sua vida para ser um homem do bem?

Aí ficam perguntas sem respostas.

Amigo leitor, chamo a sua atenção para não usar este material na literatura lampiônica porque ele não tem nenhum valor para o tema. O que eu escrevi são apenas as minhas inquietações assim dizia   o caipira escritor de Poço Redondo Alcino Alves Costa  .

http://blogdomendesemendes.blogspot.com

CORDELISTA CÉSAR MELLO, DE ACARAÚ, LANÇA NOVOS LIVRETOS FALANDO DO CANGAÇO E DO CASTELO ACARAUENSE



O poeta de Cordel acarauense, César Mello, publicou novas obras: "A crueldade no Cangaço" e "Um castelo encantador: uma história de amor e de fé". Ambas de teor histórico-cultural, são uma grande fonte de pesquisa e de literatura.

O próprio cordelista fala das propostas de suas obras. "Como todo cordelista, depois de ler alguns livros que contam a história do cangaço, tenho também a minha versão, onde falo da crueldade a forma com que os cangaceiros matavam seus adversários. E a outra edição falo da construção de um castelo medieval no norte do ceará em nosso Acaraú (que funciona como restaurante e pousada)", explicou.


Ao todo, o poeta acarauense, que por conta própria elabora e imprime suas obras, já alcançou a marca de 33 livretos de cordel. "Cada um com uma história diferente, onde falo da cultura de nossa Terra e de nossa gente, como também de algumas celebridades acarauenses. Com vistas a socializar seu trabalho, lgumas obras são distribuídas em escolas e na Biblioteca Pública de Acaraú. O poeta também participa de congressos e feiras da Cidade para divulgar seu trabalho.

Interessados em ajudar o poeta ou adquirir um dos seus cordéis, basta entrar em contato pelo fone (88)99662.7481 e o cordelista entrega pessoalmente caso seja daqui da sede do Município.


http://blogodmendesemendes.blogspot.com

A MORTE DE DELUZ


Por Moustafá Veras

Foi em virtude de desavenças com o seu sogro, o pai de Dalva, sua esposa, que naquele dia 30 de setembro de 1952, quando viajava de sua fazenda Araticum para o Canindé Velho de Baixo, se viu tocaiado e morto com vários tiros. Morte atribuída ao velho pai de Dalva, o senhor João Marinho, proprietário da famosa fazenda Brejo, no hoje município de Canindé de São Francisco.

Diz à história que João Marinho foi o mandante, chegando até ser preso; e seu genro João Maria Valadão, casado com Mariinha, irmã de Dalva, portanto cunhado de Deluz, ainda vivo até a feitura desse artigo, com seus 96 anos de idade, completados no mês de dezembro de 2011, foi quem tocaiou e matou o célebre militar e delegado que aterrorizou Canindé e o Sertão do São Francisco.


http://blogdomendesemendes.blogspot.com

quarta-feira, 18 de setembro de 2019

LIVROS SOBRE CANGAÇO É COM O PROFESSOR PEREIRA


Se você está interessado a algum livro sobre cangaço é só entrar em contato com o professor Pereira, através deste e-mail: 

franpelima@bol.com.br

A compra é feita na cidade de Cajazeiras, no Estado da Paraíba. Será entregue em sua casa o mais rápido possível.

http://blogdomendesemendes.blogspot.com

CINQUENTENÁRIO DA MORTE DE ZÉ RUFINO O LENDÁRIO BELMONTENSE QUE MATOU O CANGACEIRO CORISCO

Por Valdir José Nogueira

Zé Rufino nascido José Osório de Farias em São José do Belmonte, Pernambuco, a 20 de fevereiro de 1906, ganhou esse apelido por ser filho de Maria Rufina da Conceição. 

Em 1936 foi promovido a aspirante pelo alto comando da polícia militar da Bahia, em solenidade realizada no Quartel dos Aflitos, na Mouraria, em Salvador. 

Em Pernambuco, antes de ser militar, ganhava vida como sanfoneiro, principal motivo de ter sido convidado por Lampião para fazer parte do seu bando, contudo nunca aceitou tal convite. 

Integrado nas forças baianas sediadas em Jeremoabo e com pouco tempo galgou o cargo de comandante de uma volante destacada para Serra Negra. Matador de diversos cangaceiros, entre os quais, como ele contou, Corisco. 

Todavia, isso é outra história. Fato curioso é que seu falecimento, por infarto do miocárdio, se deu no dia 20 de fevereiro de 1969, seu aniversário, quando completava 63 anos de idade.

Adendo - http://blogdomendesemendes.blogspot.com

Muito interessante e sem graça! 

Afirmam alguns autores de livros sobre cangaço que o túmulo do Zé Rufino ninguém sabe o local no cemitério que foi enterrado. Um descuido da família, penso eu.


http://blogdomendesemendes.blogspot.com

LITERATURA E POESIA CEARENSE EM ÉVORA !

 Ingrid Rebouças, Manoel Severo e Renato Pessoa

Aconteceu neste último domingo, dia 15 de setembro, na Casa de Juvenal Galeno, a feijoada beneficente entre amigos, para levar o talento do grande poeta cearense, Renato Pessoa ao 1º Encontro Internacional de Estudos Literários - Novos Olhares entre o Ceará e o Alentejo ; na Universidade de Évora, em Portugal neste próximo mês de outubro.

Leonardo Nóbrega, Manoel Severo e Silas Falcão
Organizadores da festa literária

O evento organizado pelos amigos; principalmente da ACE - Associação Cearense de Escritores, tendo  a frente; Silas Falcão, Leonardo Nóbrega, Antônio Miranda, Rosa Morena, Zélia Sales, dentre outros, reuniu em dia de festa e gratidão, escritores, poetas, cordelistas e admiradores não só do trabalho do poeta Renato Pessoa, mas da literatura cearense. O encontro teve além de apresentações artísticas, sorteio de livros e coletâneas de escritores cearenses , com um final inusitado: O "Leilão do Cavanhaque do Poeta"... 

 Renato Pessoa e Manoel Severo: O leilão do cavanhaque do Poeta...

"Renato Pessoa é conhecido e tem como marca registrada seu famoso cavanhaque e por iniciativa dos amigos Silas e Leonardo, nada mais justo que neste dia de festa fazermos o leilão beneficente de seu cavanhaque, bem, eu arrematei o danado,mas diante do choro e ranger de dentes, resolvi mante-lo intacto, Renato e todos nós,merecemos" Confessa o curador do Cariri Cangaço, Manoel Severo Barbosa.

Manoel Severo e Patrícia Cacau
Nice Arruda, Eudismar Mendes e Rosa Morena
Elton da Nana e Manoel Severo

Dentre os muitos convidados e participantes, o presidente da ACE, Silas Falcão, o curador do Cariri Cangaço Manoel Severo e Ingrid Rebouças; os escritores, Renato Nóbrega, Elton da Nana,poeta LucaRocas, Stélio Torquato, Chico Neto Vaqueiro, Cival Einstein e as presenças feminina da literatura cearense com Rosa Morena, Zélia Sales, Nice Arruda, Patricia Cacau, Inacia Nepomuceno, Lucirene Façanha, Luzia Sousa, dentre muitos outros. 

Leonardo Nóbrega, Manoel Severo e Silas Falcão
Inácia Nepomuceno e Stelio Torquato

"Quero deixar minha gratidão e meu afeto para todos esses amigos que, de forma tão amorosa, organizaram esse evento em prol da literatura e da cultura. A literatura tem me dado uma grande família, de grandes seres humanos, talentosos e éticos, fica aqui o abraço mais terno do meu coração. Obrigado, amigos e vamos à luta por um social mais justo e humano. Viva a arte,  viva a literatura cearense." Fala um emocionado Renato Pessoa.

 Zélia Sales e Cival Einstein
Lucarocas Poeta e Stélio Torquato

O encontro é uma iniciativa do Departamento de Linguística e Literaturas da Universidade de Évora e o Laboratório OTIUM, do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade de Fortaleza (UNIFOR) e acontece dias 09 e 10 de Outubro de 2019 no Anfiteatro 01 do Colégio do Espírito Santo - Universidade de Évora, em Portugal.


Além do poeta Renato Pessoa, de Fortaleza, estarão participando do evento os poetas e escritores cearenses, Bruno Paulino de Quixeramobim e Dércio Braúna, de Jaguaruana, dentre outros.


Conhecendo a Universidade de Évora...


A Universidade de Évora foi a segunda universidade a ser fundada em Portugal. Após a fundação da Universidade de Coimbra, em 1537, fez-se sentir a necessidade de uma outra universidade que servisse o sul do país.

"Évora, metrópole eclesiástica e residência temporária da Corte, surgiu desde logo como a cidade mais indicada. Ainda que a ideia original de criação da segunda universidade do Reino, tenha pertencido a D. João III, coube ao Cardeal D. Henrique a sua concretização. Interessado nas questões de ensino, começou por fundar o Colégio do Espírito Santo, confiando-o à então recentemente fundada Companhia de Jesus. Ainda as obras do edifício decorriam e já o Cardeal solicitava de Roma a transformação do Colégio em Universidade plena. Com a anuência do Papa Paulo IV, expressa na bula Cum a nobis de Abril de 1559, foi criada a nova Universidade, com direito a leccionar todas as matérias, excepto a Medicina, o Direito Civil e a parte contenciosa do Direito Canónico.

A inauguração solene decorreu no dia 1 de Novembro desse mesmo ano. Ainda hoje, neste dia se comemora o aniversário da Universidade, com a cerimónia da abertura solene do ano académico. As principais matérias ensinadas eram Filosofia, Moral, Escritura, Teologia Especulativa, Retórica, Gramática e Humanidades, o que insere plenamente esta Universidade no quadro tradicional contra-reformista das instituições católicas europeias do ensino superior, grande parte das quais, aliás, controladas pelos jesuítas. No reinado de D. Pedro II, viria a ser introduzido o ensino das Matemáticas, abrangendo matérias tão variadas, como a Geografia, a Física, ou a Arquitectura Militar.

O prestígio da Universidade de Évora durante os dois séculos da sua primeira fase de existência confundiu-se com o prestígio e o valor científico dos seus docentes. A ela estiveram ligados nomes relevantes da cultura portuguesa e espanhola, dos quais importa ressaltar, em primeira linha, Luis de Molina, Teólogo e moralista de criatividade e renome europeu. Em Évora, foi doutorado um outro luminar da cultura ibérica desse tempo, o jesuíta Francisco Suárez, depois professor na Universidade de Coimbra. Aqui ensinou durante algum tempo Pedro da Fonseca, considerado o mais importante filósofo português quinhentista, célebre pelo esforço de renovação neo-escolástica do pensamento aristotélico.

Apesar das tentativas de modernização e abertura ao novo espírito científico, que caracterizam a Universidade setecentista, há que reconhecer, contudo, que, a exemplo da sua irmã mais velha de Coimbra, o seu esforço não se traduziu numa efectiva abertura dos espíritos às necessidades dos tempos novos. Não obstante o alto valor individual de numerosos docentes, o sistema de ensino como um todo, revelou-se desajustado e antiquado. Évora participou, assim, na tendência global de virar costas à Europa transpirenaica, que caracterizou a generalidade das elites e instituições culturais ibéricas do Antigo Regime.

Quando a conjuntura política e cultural de meados do século XVIII se começou a revelar hostil aos jesuítas, não admira que a Universidade de Évora se tenha facilmente transformado um alvo da política reformadora e centralista de Pombal. Em 8 de Fevereiro de 1759 - duzentos anos após a fundação - a Universidade foi cercada por tropas de cavalaria, em consequência do decreto de expulsão e banimento dos jesuítas. Após largo tempo de reclusão debaixo de armas, os mestres acabaram por ser levados para Lisboa, onde muitos foram encarcerados no tristemente célebre Forte da Junqueira. Outros foram sumariamente deportados para os Estados Pontifícios.

A partir da Segunda metade do século XIX, instalou-se no nobre edifício henriquino o Liceu de Évora, ao qual a rainha Dona Maria II concedeu a prerrogativa do uso de "capa e batina", em atenção à tradição universitária da cidade e do edifício.Em 1973, por decreto do então ministro da Educação, José Veiga Simão, foi criado o Instituto Universitário de Évora que viria a ser extinto em 1979, para dar lugar à nova Universidade de Évora".

Feijoada Beneficente
Casa Juvenal Galeno, Fortaleza CE
15 de Setembro de 2019


http://blogdomendesemendes.blogspot.com