Seguidores

sexta-feira, 19 de julho de 2019

CHUVA, JULHO, CHUVA

Clerisvaldo B, Chagas, 19 de julho de 2019
Escritor Símbolo do Sertão Alagoano
Crônica: 2.147

Faltando um garrancho para uma coivara ou um empurrão para uma briga, melhor dizendo, faltando pouco para o amanhecer, já estava previsto. Nesse Sertão de Nosso Senhor Jesus Cristo, variação entre galope e sereno de chuva à noite inteira comadre. Um deserto tão grande nas ruas que até os sapos não transitaram nas vias. O rio Ipanema desce com um pouco d’água para ornar as narrativas das tradições. Vez em quando um jornalista, um poeta, um escritor ou mesmo um saudosista, foca suas lentes para o lombo do rio. Cada vez mais com a aproximação de agosto, a frieza vai apertando o parafuso no semiárido. As feiras livres vão fraquejando devido a ocupação na agropecuária pelo homem do campo, aonde a temperatura chegou aos 13 graus centígrados, amigo.
TEMPO NO SERTÃO. (FOTO: B. CHAGAS).
 
Já é meio-dia desta sexta-feira, 19, o dia chuvoso e nublado ainda não parou a marcha lenta do tempo que distribui água a valer. Isto faz lembrar o padre José Augusto da Paróquia de São Cristóvão, em Santana do Ipanema, hoje na Serraria, em Maceió: “Deus nos mande bastante chuva... Mas que ela venha mansa” (gargalhada). Pois é mansa mesmo que ela se derrama por aqui. Prosseguem os festejos à Senhora Santana que no mundo inteiro ocorrem na mesma data do mês de julho. O foguetório avisa no início, meio e final do dia, para o pensamento cristão. Os estouros dos fogos misturam-se à chuva fina e molhadeira que mantém o Sertão montado no dorso da esperança. A faina continua com frio ou sem frio, quando passam estudantes fardados para as provas do bimestre.

No inverno tão bonito
Vai o carão pra lagoa
Pescador enche a canoa
Onça pula no granito
Do tetéu se houve o grito
A cobra fica enroscada
Codorniz desconfiada
Inda teme o caçador
Gato procura calor
Gavião baixa à ramada.


http://blogdomendesemendes.blogspot.com

LIVROS SOBRE CANGAÇO


Se você está querendo adquirir livros sobre Sinhô Pereira, Lampião, Corisco, padre Cícero, coronel Delmiro Gouveia, a cangaceira Anésia Cauaçu,  é só entrar em contato com o professor Pereira através deste e-mail.

franpelima@bol.com.br

http://blogdomendesemendes.blogspot.com

LAMPIÃO E MARIA BONITA MORRERAM HÁ 81 ANOS, POR QUE SUA MEMÓRIA CONTINUA TÃO VIVA?

Por Alfredo Silva


Há exatos 81 anos, morria Virgulino Ferreira da Silva, o Capitão Lampião, e Maria Gomes de Oliveira, a Maria Bonita. Seu bando de temidos cangaceiros estava na fazenda Angico, considerada por Lampião como um de seus esconderijos mais seguros, quando durante uma noite chuvosa, em 27 julho de 1938, a Volante, polícia especializada em combater o cangaço, aproximou-se furtivamente do local.

Foi apenas na manhã seguinte que um dos cangaceiros notou algo fora do comum e soou o alarme. Era tarde demais! Por vinte minutos, a força militar do Estado disparou suas metralhadoras portáteis e Lampião foi um dos primeiros a cair.

Desorientados pela súbita morte de seu capitão, os cangaceiros ofereceram pouca resistência. Maria Bonita, Quinta-Feira e Mergulhão foram degolados ainda vivos. Dos 34 cangaceiros do bando, 11 morreram no ataque.

Lampião não era uma alma pura, mas não era uma alma pequena e vulgar, era uma alma grande.

Ariano Suassuna

Lampião e Maria Bonita foram as personagens mais famosas do fenômeno do Cangaço, ambos eram tidos como figuras heróicas e símbolos de resistência à violência do Estado e dos grandes fazendeiros. No entanto, na visão de alguns, são caracterizados como assassinos sanguinários.

Não há como negar, porém, que os cangaceiros não foram bandidos comuns. Enquanto a miséria descoloria o Sertão, eles andavam orgulhosos, adornados com cores vibrantes e símbolos de proteção.

Lustrosos, cheios de brilhos de ouro e prata, lenço de seda no pescoço, bornal adornado com flores bordadas, bandoleira cuidadosamente coberta com moedas e metais preciosos, esses homens e mulheres exibiam em suas roupas de couro uma infinidade de tecidos coloridos. Na secura da vida nordestina, o Cangaceiro era uma figura grandiosa, exótica, quase alienígena.

Cangaceiro não vive só de briga. Lampião sabia tocar uma gaita de oito baixos. E seus homens gostavam de dançar. Havia preferências pelos enfeites de ouro, muitos levavam moedas esterlinas no chapéu. Ah, era bonito. E o perfume, então? Todos usavam. E não economizavam.

Depoimento do Cangaceiro Balão

A adesão ao Cangaço tinha um preço alto. Era preciso saber que se viveria, a partir daquele momento, uma vida de guerra e morte eminente. A recompensa para essa vida era recuperar o orgulho próprio. Ser cangaceiro, muitas vezes, representava um ato de rebeldia contra a opressão do Coronelismo.

Por isso, a tropa caminhava sempre perfumada, cantando canções do sertão, orgulhosos de sua cultura sertaneja, e ostentando a riqueza que tomavam dos opressores.

Desta forma, um olhar sobre o universo cultural, que tem origem no povo sertanejo, mas atinge proporções grandiosas sob o fenômeno do Cangaço, nos mostra uma condição mais profunda do povo brasileiro; revela uma cultura rica, colorida, espetaculosa que é abafada pelo contínuo cinza da exploração.

Não é possível reduzir o Cangaço a um simples fenômeno de banditismo social, Cangaço foi expressão, cultura, descoberta, violência, aprendizado e uma lição sobre um povo rico e valoroso.

Eu estava junto de Corisco quando chegou a notícia da morte de Lampião. Ele parou, cobriu os olhos e disse: acabou-se o divertimento do mundo!

Depoimento de Pancada

Relembrando os 80 anos da morte de Lampião e Maria Bonita, o especial Sentidos do Cangaço busca iluminar um pouco da cultura da Cangaço e, por consequência, do povo brasileiro.

visão das cores

A razão que o levou a fazer-se bandoleiro foi achar bonito o traje dos facínoras que encontrava, notar o temor e respeito que infundiam, e querer ser na vida alguma coisa.

Depoimento do cangaceiro Cobra Verde, 1938

Passando pelo Raso da Catarina, região de caatinga no centro-oeste baiano, em 1930, Dadá, cangaceira e companheira de Corisco, precisou repousar devido à sua gravidez. Para passar o tempo, bordou uma textura floral em um bornal de seu marido.

Lampião, ao ver o bornal enfeitado, ficou encantado e pediu que ela também enfeitasse seu conjunto de quatro bornais. Dadá, neste momento, inaugurou, com o incentivo do Capitão Lampião, uma nova tradição estética.


Os dez últimos anos do Cangaço, que contaram com a presença das mulheres, constituem o período mais rico esteticamente para os cangaceiros.

Nessa época, o traje de guerra desses homens e mulheres foi ganhando novas cores. Exímio costureiro, Capitão Lampião passou a bordar bornais em sua máquina para presentear seus homens mais valorosos. Assim, o bordado, comum na cultura popular sertaneja, se tornou uma medalha de valor e orgulho concedida a um soldado.

toque do couro

Vinham tão ornamentados e atreviados de cores berrantes que mais pareciam fantasiados para um carnaval. Todos armados de mosquetão, ostentando trajes originais bizarramente adornados, entram cantando suas canções de guerra, como se tivessem em plena diabólica folia carnavalesca.

Jornalista amador ao presenciar a entrada do grupo na cidade de Tucano, Bahia, 1928

O traje do cangaceiro era imponente. Com toda sorte de adaptações necessárias para enfrentar a caatinga, só poderia ser comparado em força e engenhosidade aos trajes dos cavaleiros medievais ou dos guerreiros samurais.

Na cabeça vinha o chapéu de couro, ícone da cultura sertaneja. A aba, quebrada para evitar que o vento o derrubasse em cavalgadas, também servia para não impedir a visão acima da testa. Com toda uma salva de saberes e engenhosidades necessárias, tornava-se, desta forma, mais difícil para os cangaceiros caírem em emboscadas.

Nas laterais do chapéu, se prendia uma pequena chuva de fitas de couro que serviam para toda sorte de emergências, como uma alpargata arruinada, um ferimento aberto. Sobre a testa e pela lateral do rosto, pendiam cintas que serviam para a fixação da peça sobre a cabeça. Nelas eram fixadas moedas de prata e ouro, libras e pequenas medalhas com dizeres como “Deus te guie”. O uso do chapéu de cangaceiro não era apenas funcional, era uma peça também simbólica.


Em volta do pescoço, era preso um lenço de seda chamado jabiraca. A cor preferida pelos homens era o vermelho, mas existiam outras. Era, também, uma peça bonita e cheia de funcionalidades. Com ele, se podia filtrar água barrenta ou espremida de raízes e tubérculos como o xique-xique, servia também para secar o suor do rosto e aplicar torniquetes. A peça não era fixada através de nós, suas pontas desciam por uma coleção de anéis de ouro, que davam uma pista sobre a patente do cangaceiro.

Todo conjunto era composto por uma complexidade de correias. Por baixo, vestia-se a túnica, feita de brim ou tecido grosso. Sobre os ombros, em “x”, eram colocadas as cobertas, “a de deitar e a de se cobrir”. Sobre as cobertas vinham os bornais, também dispostos em “x” e fixados com uma tira na altura da cintura.

Por cima de tudo isso, estrategicamente posicionadas, vinham as cartucheiras de munição. O peso das roupas, equipamentos, munição, mantimentos e todo tipo de miudezas passava de trinta quilos – quase dez a mais do que o recomendado pelo Exército para soldados dessas regiões.


O primeiro grande feito de Lampião como líder de um grupo foi o assalto a casa da Baronesa de Água Branca, em 1922, em Alagoas.

Em uma ação espetacular, os bandoleiros invadiram a cidade, renderam as tropas do exército e assaltaram as casas mais ricas. Por último, entraram na casa da Baronesa, de onde tiraram uma grande soma de dinheiro, joias, incluindo um crucifixo de ouro que mais tarde seria usado por Maria Bonita, e toda uma miríade de objetos que apenas a elite tinha acesso.

A partir disso, Lampião tomou gosto por hábitos da elite, incluindo o uso de perfumes franceses.

A voz do sertanejo

O bando cantava as toadas do xaxado em primeira, segunda e terceira voz.

Depoimento de Dona Maura Lima de Araújo, presente durante visita do bando de Lampião à fazenda da Pedra

Enquanto a voz oficial condenava o Cangaço, a cultura popular sertaneja ilustrava seus feitos. As lendas dos capitães eram contadas em versos de feira e na literatura do cordel.

As aventuras dos cangaceiros eram logo cantados em repentes nas feiras das cidades mais próximas. Cada artista que escrevia parecia torcer para o seu bando preferido.

No grupo de Lampião, Zé Baiano, Moura e, depois, Jitirana dividiam as composições. Frederico Mello, em seu livro, conta inclusive, que o próprio Lampião cantava, apesar de Dadá dizer que sua voz era esfarrapada.

paladar do Sertão

Convencemo-nos, à força de observações repetidas, que tais coisas se usam porque as usa Lampião e seus sequazes que, mesmo bandidos, são, ao espírito rude do sertanejo, paradigmas de bravura e intrepidez.

Relatório da Comissão Acadêmica Coronel Lucena ao interventor federal de Pernambuco, 17 de agosto de 1938

Na dureza da caatinga alimentar-se exigia sabedoria. Dispondo apenas dos produtos encontrados nos mercados do nordeste, e eventualmente alguma caça, a tropa precisava preparar-se para travessias que podiam durar semanas. A base da alimentação era carne, salgada para maior durabilidade, a farinha e a rapadura.

Em dias de fartura ainda se consumia leite, café e requeijão. No aperto, porém, até mesmo o xique-xique, espécie de cacto da caatinga, virava a refeição da vez.

A carne, geralmente de bode, era consumida sempre assada em fogueiras, uma vez que cozinhá-la exigia mais tempo de fogo aceso, e a fumaça poderia denunciar a posição do bando.



http://blogdomendesemendes.blogspot.com

GRANDE HOTEL – UM MARCO DE NATAL NA SEGUNDA GUERRA MUNDIAL


Um verdadeiro ícone do período da Segunda Guerra Mundial em Natal – Foto – Rostand Medeiros.

ROSTAND MEDEIROS – INSTITUTO HISTÓRICO E GEOGRÁFICO DO RIO GRANDE DO NORTE -IHGRN

Antes mesmo de Natal se consolidar na segunda metade da década de 1920 como um importante ponto para a aviação mundial, o governador Juvenal Lamartine de Faria, que exerceu seu mandato entre 1928 a 1930, percebeu a necessidade de construir um hotel amplo e moderno, que atendesse as intensas transformações que o transporte aéreo projetava para o Rio Grande do Norte.

Planta original do Grande Hotel.

Na edição do jornal Diário de Natal, de 25 de novembro de 1948, na segunda página, encontramos um interessante relato da história do Grande Hotel, onde soubemos que o governador Lamartine chegou mesmo a adquirir um terreno na Ribeira para a construção de um hotel. Mas a sua deposição, como parte dos desdobramentos da Revolução de 1930 no Rio Grande do Norte, abortou essa ideia. Coube então ao Interventor Mário Leopoldo Pereira da Câmara a compra de um outro terreno. Este era localizado na esquina das Avenidas Duque de Caxias com Tavares de Lira, sendo fechado o negócio no dia 15 de outubro de 1935, quatorze dias antes desse político deixar o poder executivo estadual. O novo governador Rafael Fernandes de Gurjão deu prosseguimento a esse projeto. Vale ressaltar que por essa época algumas empresas aéreas já utilizavam a capital potiguar como escala em suas viagens ligando a Europa e os Estados Unidos até a América do Sul. Sendo constantes os pousos de hidroaviões no estuário do Rio Potengi e no Campo de Parnamirim, a vinte quilômetros do centro de Natal.

A partir de 1935 o arquiteto francês Georges Henry Mournier realizou os estudos e o projeto do Grande Hotel de Natal. Mournier chegou ao Brasil no dia 26 de outubro de 1927 e marcou sua carreira com inúmeras obras pelo Nordeste. Além do nosso Grande Hotel, esse francês foi o responsável em 1939 pelo projeto arquitetônico da Catedral Metropolitana de Fortaleza e do Cineteatro Pax, de Mossoró, construído no estilo Art déco. Coube a ele o projeto do Grande Hotel de Recife, do prédio da Prefeitura de Campina Grande, da urbanização do Parque Sólon de Lucena em João Pessoa, do Seminário de Garanhuns e outros mais[1].

Projeto da Escola de Aplicação do Instituto de Educação, em João Pessoa, Paraíba. Autoria de Georges Henry Mournier: Fonte – Revista O Cruzeiro, edição de 10 de dezembro de 1938, página 61.

Através do Decreto estadual nº 431, de 22 de fevereiro de 1938, o governador Rafael Fernandes contraiu um empréstimo para a conclusão da obra e o prédio foi inaugurado em maio de 1939. O total gasto na obra, segundo Itamar de Souza, foi de “1.607.856,500”. Mas o empreendimento só começou efetivamente a funcionar em setembro daquele ano[2].

Antes da eclosão da Segunda Guerra Mundial, o bairro comercial mais importante de Natal era a Ribeira. Era nessa região que se concentravam os principais órgãos de governo, onde estavam as estações ferroviárias e o porto. As avenidas Duque de Caxias, Tavares de Lira, largas e arborizadas e as praças José da Penha e Augusto Severo compunham o quadro, que mudou radicalmente com a inauguração do Grande Hotel.

O hotel, que possuía 76 apartamentos, foi então arrendado ao comerciante Theodorico Bezerra, proprietário da empresa Theodorico Bezerra & Cia., e membro da Associação Comercial. Segundo relatos da época Theodorico era uma das pessoas que mais entendia de hotelaria em Natal. Em uma reportagem do Diário de Natal de 23 de janeiro de 1985, página 3, ao rememorar quase 50 anos de atividade do Grande Hotel, Theodorico Bezerra informou que fora proprietário do Hotel dos Leões, do Hotel Independência, do Palace Hotel e do Hotel Internacional.

Theodorico Bezerra no Congresso Nacional, quando exercia o cargo de deputado federal na década de 

Na edição de 1938 do Almanak administrativo, mercantil, e industrial do Rio de Janeiro, ou Almanak Laemmert, um ano antes da inauguração do Grande Hotel, na sua página 762, encontramos a informação que Natal possuía nessa época oito estabelecimentos de hospedagem. Eram estes o Hotel Avenida (Rua Nísia Floresta, 223), o Hotel Internacional (de propriedade do Sr. David França, localizado na Avenida Tavares de Lira, 115), o Palace Hotel, (também de David França, na Rua Chile, 106), a Pensão Brasil (na Rua Senador José Bonifácio, ou Rua das Virgens, nº 168), a Pensão Familiar (de Maria Cabral, na Rua Junqueira Aires, 417), a Pensão Moderna (na Rua Senador José Bonifácio), Pensão Rio Branco (de Olívio Gonçalves Guerra, Avenida Rio Branco, 456) e a Pensão Natal (Avenida Rio Branco).

Em 1942 Newton Tornaghi, então oficial da Marinha do Brasil com o posto de Capitão-tenente e imediato da corveta Jaceguai, publicou na edição de 05 de maio do Jornal do Brasil um interessante texto sobre a Natal que ele conheceu antes e durante a Guerra. Mesmo com a localização privilegiada, Tornaghi apontou que já na época de sua inauguração surgiram dúvidas entre os natalenses do sucesso do Grande Hotel. Achavam que o movimento do porto e das aeronaves que por Natal passavam “não comportavam tão avançado empreendimento”. O oficial naval percebeu o hotel como “bem organizado, com construção moderna”, mas “um pouquinho menor que o nome apontava e um pouquinho maior do que a cidade se acostumou a vê-lo”.


Esse relato do Capitão Tornaghi foi confirmado em 1970 pelo jornalista Djair Dantas, que publicou em uma interessante reportagem a decadência do Grande Hotel naquele período. Ao entrevistar o antigo funcionário José Santana Sobrinho esse narrou que os dois primeiros anos foram difíceis, pois “o homem do interior, por exemplo, não queria nunca hospedar-se aqui”[3].

Mas tudo mudou quando os primeiros norte-americanos chegaram à cidade. Estes foram os técnicos da ADP, com a função especifica de trabalhar no desenvolvimento de Parnamirim Field e foi para o Grande Hotel que eles se dirigiram em busca de algum conforto. Para Newton Tornaghi, com a chegada da guerra o Grande Hotel transformou-se em um local interessante, onde “falava-se todos os idiomas”.

Engenheiros americanos e, talvez, militaresamericanos, no Grande Hotel: Fonte –http://macauemdia.blogspot.com/2012/03/natal-no-tempo-da-2-guerra.html

E o movimento no local era intenso. Em um artigo sem autor conhecido, encontramos o comentário que diante do surpreendente movimento de estrangeiros na cidade, o “Grande Hotel hoje deveria ser em duplica, ou triplicata, para atender aos hóspedes”. Logo o inglês, depois do português, passou a ser o idioma mais falado nas dependências do hotel, bem como nos bares, restaurantes, boates e no comércio local[4]. Para Lenine Pinto o lugar era o “Espelho da Ribeira”. Do seu mezanino, que se abria sobre o restaurante, uma pequena orquestra tocava valsinhas na hora das refeições. Além dos estrangeiros, grandes figuras de projeção nacional e da máquina governamental de Getúlio Vargas se hospedavam no Grande Hotel, inclusive altas autoridades militares como os Generais Eurico Gaspar Dutra e João Batista Mascarenhas de Morais. O Almirante Ary Parreiras, construtor da Base Naval de Natal, só se hospedava com a família e o General Gustavo Cordeiro de Farias ficava sempre no quarto 216[5].


Ao rememorar no Diário de Natal de 23 de janeiro de 1985 seus momentos no Grande Hotel, Theodorico lembrou que instalou no hotel um cassino “com todo tipo de jogo” e cravou que foi “nessa época que ganhei mais dinheiro aqui no hotel”. José Santana Sobrinho comentou a Djair Dantas que o nome da casa era Casino Natal e que para abrir esse negócio Theodorico fez uma parceria com um “italiano chamado Bianchi”. Esse não era outro se não Alberto Quatrini Bianchi, descendente de italianos nascido em Rio Claro, São Paulo, proprietário, ou arrendatário, de casinos e hotéis no Rio de Janeiro, Guarujá, Recife, Poços de Caldas, Ouro Preto, São Luís do Maranhão, Niterói e outros lugares. Para o ex-fotógrafo da Marinha dos Estados Unidos John R. Harrison, em seu livro Fairwing Brazil – Tales of South Atlantic in World War Two (Schiffer Publishing, 2014, Atglen, PA, USA) , na página 200, o Grande Hotel estava sempre cheio e seu proprietário utilizou de considerável perspicácia política para obter uma licença que permitisse o funcionamento de um cassino naquele local. Provavelmente foi Bianchi que conseguiu essa liberação junto aos políticos, pois conhecia bem “o caminho das pedras” entre essas pessoas. 


Para Clyde Smith o hoteleiro Theodorico Bezerra quase perdeu a concessão que possuía para gerir o principal hotel de Natal. E a investida partiu do General Antônio Fernandes Dantas, caicoense de nascimento, que substituíra Rafael Fernandes à frente do executivo potiguar em 9 de junho de 1943, mas Clyde não explica a razão. Esse autor norte-americano comentou que realmente Theodorico ganhou muito dinheiro com os militares do seu país naqueles anos e, apesar do Observador Naval da Marinha dos Estados Unidos haver conseguido informações que apontavam tendências pró-germânicas por parte de Theodorico, os norte-americanos sempre foram tratados corretamente naquele estabelecimento[6].   
  
Uma visita que verdadeiramente marcou o Casino Natal foi a do ator hollywoodiano ‎Humphrey Bogart. Ele passou por Natal entre novembro e dezembro de 1943 e esteve no casino na noite de 30 de novembro, uma terça-feira, na companhia de um coronel chamado Wallace Ford e outras autoridades americanas[7]. Santana lembrou que no Cassino Natal o pianista Paulinho Lyra dedilhava um piano novo em folha, que foi comprado ao médico Januário Cicco.

Após sua passagem por Natal, o ator Humphrey Bogart realizou uma apresentação para as tropas americanas estacionadas no Norte da África: Fonte –https://humphreybogartestate.tumblr.com/post/51455706393/humphrey-bogart-on-stage-during-an-uso-event-in

Protásio Melo comentou que ao redor do Grande Hotel, que ele denominava “Quartel General dos americanos”, podia-se ver todo tipo de comércio improvisado, vendendo todo tipo de coisa aos estrangeiros. Havia desde saguis, papagaios, corujas, periquitos, rendas do Ceará, facas de ponta vindas de Campina Grande e toda uma “cavalaria” de alimárias para serem alugados para passeios e fotos. Protásio narrou também que viu nas mesinhas do bar do hotel artistas cinematográficos como Joel McCrea, Buster Crabbe, Bruce Cabot e Martha Raye, nomes famosos de Hollywood nas décadas de 1930 e 1940[8].

Para José Santana Sobrinho o Grande Hotel era uma das grandes referências para os visitantes da cidade, se não a principal. Pessoas ilustres, mesmo sem se hospedarem, por ali passavam para tomar uma bebida. Foi o caso da Madame Chiang Kai-Shek, ou de Oswaldo Aranha, então Ministro das Relações Exteriores do Brasil.

Oswaldo Aranha, Ministro das Relações Exteriores do Brasil em grande parte do período da Segunda Guerra Mundial, esteve no Grande Hote. Fonte: –http://www.chumbogordo.com.br/13817-oswaldo-aranha-e-o-tempo-de-gigantes-na-politica-por-cesar-maia/

Por viver lotado, Santana lembrou que teve gente como o famoso jornalista David Nasser, ou Paschoal Carlos Magno, então diretor de teatro e futuro Chefe de Gabinete do Presidente Juscelino Kubitschek, que foram obrigados a dormir mal acomodados em sofás, ou embaixo de escadas, quando estiveram no Grande Hotel.

Devido a lotação Theodorico Bezerra, que ficou conhecido no Rio Grande do Norte como “o majó”, alugou apartamentos nas proximidades, principalmente nos Edifícios Bila e Varela, na Avenida Duque de Caxias. Para José Santana Sobrinho, devido a sua categoria, não dava para o Grande Hotel hospedar náufragos de navios torpedeados que apareciam “nus da cintura para cima” e eles eram enviados para esses anexos. Nesses locais também ficavam os passageiros dos hidroaviões Boeing 314 Clipper, da Pan American Airways, que pernoitavam em Natal, seguindo viagem para ou sul do Brasil, ou em direção aos Estados Unidos.

Os passageiros dos hidroaviões Boeing 314 Clipper, da Pan American Airways que pernoitavam em Natal se hospedavam no Grande Hotel, ou em seus anexos.

Se a vinda dos militares norte-americanos trouxe reais benefícios a membros da elite social natalense, seguramente um destes, ou o principal, foi Theodorico Bezerra.

Após o fim da Segunda Guerra, mesmo com o declínio econômico e financeiro que Natal sentiu com a saída das tropas estrangeiras, a projeção e referência do Grande Hotel na vida do povo natalense atingiu níveis interessantes. Um desses casos é o da praça diante do estabelecimento, que se tornou durante muitos anos uma espécie de rodoviária informal da cidade. Chamada de Praça José da Penha, antiga Leão XIII, era um local de muito movimento e central em relação ao comércio da época. Ali se concentravam pelo menos quatro linhas de ônibus para o interior. De quarta aos sábados, a partir das cinco da manhã, partia um veículo para Caicó. Já para Macaíba havia duas viagens por dia, todos os dias da semana. No caso de Nova Cruz a linha funcionava de quarta aos domingos, a partir de duas da tarde. Já para Ceará-Mirim tinha ônibus todos os dias às quatro da tarde[9].  


Theodorico Bezerra continuou como arrendatário por 48 anos, até 1987, quando não apenas seu antigo hotel, mas todo o bairro da Ribeira já viviam um franco declínio.

Nos dias atuais o prédio do Grande Hotel é utilizado pelo Juizado Especial Central da Comarca de Natal, antes conhecido como Juizado de Pequenas Causas. Mas existe a informação que em um futuro breve a justiça potiguar deixar de utilizar esse local.

E o que acontecerá com o velho Grande Hotel?

NOTAS

[1] Ver A Ordem, Natal, 26/12/1947, pág. 7.
[2] Souza, Itamar. Nova História de Natal, 2. Ed. – Natal-RN: Departamento Estadual de  – Imprensa, 2008. Páginas 306 e 307.
[3] Ver Diário de Natal, ed. 30/11/1970, pág. 3.
[4] Ver A Ordem, Natal ed. 15/06/1944, pág. 4.
[5] Pinto, Lenine. Natal, USA. 2. Ed – Natal-RN: Edição do autor, 1995. Páginas 135 e 136.
[6] Smith Junior, Clyde – Trampolim Para a Vitória. 2. Ed. – Natal-RN: Ed. Universitária, 1999, Páginas 107 e 108.
[7] Ver O Diário, Natal, Ed. 01/12/1943, pág. 2
[8] Revista Século, Fundação Cultural Padre João Maria, ano IV, nº 4, dez. 1999, pág. 23.
[9] Ver A Ordem, Natal, Ed. 22/05/1948, pág. 9.


http://blogdomendesemendes.blogspot.com

COMO A VIDA PASSA RÁPIDA...

Por Geraldo Antônio De Souza Júnior

... e vai deixando no passado momentos que deveriam ser eternizados e deixa em nossas memórias a lembrança de pessoas e situações que realmente valeram a pena conhecer e viver.

Na fotografia anexada a essa publicação, registrada no mês de junho de 2014, está a minha amiga Gilaene "Gila" de Sousa Rodrigues (In memoriam), filha do casal cangaceiro Sila e Zé Sereno e minha filha Rayanne Michelly A. de Souza. Fotografia registrada durante uma de minhas visitas à casa do casal Gila Sousa Rodrigues e Arthur Rodrigues, aos quais tenho enorme gratidão por terem sempre me recebido bem em sua residência e disponibilizado grande quantidade de materiais e informações que atualmente disponibilizo a todos sem nenhum ônus e com a única e exclusiva finalidade de divulgar a história cangaceira e seus personagens.


http://blogdomendesemendes.blogspot.com

CARIRI CANGAÇO 10 ANOS...

Por Manoel Severo

Um Sentimento, Cinco Cidades, Dezenas de Cenários, Centenas de Pesquisadores, Milhares de Emoções. Sejam bem vindos ao Maior Evento de Cangaço de todos os tempos. O Cariri do Ceará se torna Território de Grandes Encontros ! SAIBA DE TUDO EM: 


http://blogdomendesemendes.blogspot.com

BIOGRAFIA DO CORONEL ISAIAS ARRUDA SERÁ LANÇADA EM BREVE


João Tavares Calixto Junior é incansável. O pesquisador informa ao público em geral que sua pesquisa sobre a vida do meteórico Coronel Isaias Arruda de Figueiredo, está em fase conclusiva, e que ainda em 2019 o livro estará disponível para venda. A pesquisa de Calixto é das mais relevantes, uma vez que o biografado viveu pouco, mas o suficiente para ser amplamente notado na cena historiográfica do cangaço e coronelismo caririense, tendo deixando eternos hiatos, que certamente serão atenuados neste novo trabalho que chegará as bancas brevemente.

Isaias foi assassinado com menos de 30 anos, mas nesta curta vida peitou Lampião, se tornou chefe político com influências em Aurora, e mando legal em Missão Velha, e destacou várias facetas necessárias para a governabilidade de outrora. Mais informações sobre o lançamento oficial, daremos em breve, mas umas das grandes certezas que temos é que está disponível em nossa loja virtual, O Araripe.


http://blogdomendesemendes.blogspot.com

O DIABO LOURO MATOU UM SANTO

Manoel Belarmino


Naquele ano de 1932, o sertão sergipano trovejava de cangaceiros e volantes. "Era uma febre" como diz o escritor e pesquisador Alcino Alves Costa. 

Aderbal Nogueira e Alcino Alves Costa

O sertão estava sob uma seca medonha, os raios solares do céu sem nuvens desciam estorricando tudo. A caatinga estava esbranquiçada e ressequida. Os carcarás vadiavam nas queimadas, devorando calangos e outros bichos queimados; os urubus faziam ajuntamento nos entornos dos tantos restos mortais de bois e vacas; e na Fazenda Mandaçaia já fazia algumas noites que se ouvia o canto agourento da coruja rasga-mortalha. A seca e o Cangaço desolavam aquele sertão. E o medo. O medo da fome e o medo da morte.

Na Fazenda Mandaçaia, morava o vaqueiro Santo com sua esposa Caçula e uma arredada de filhos ainda pequenos. Apesar da seca e dos cangaceiros e volantes, o vaqueiro estava sobrevivendo ali. O sossego e a tranquilidade do vaqueiro Santo acabara quando o cangaceiro Curisco apareceu repentinamente e pediu que o vaqueiro levavasse um bilhete para o fazendeiro Mané Briginho exigindo uma quantia avultada de dinheiro.

O cangaceiro Corisco

O vaqueiro Santo levou o bilhete até o fazendeiro. Dias depois estava com o dinheiro para entregar ao bandoleiro Curisco. Lampião ficou sabendo e foi à casa de Santo pegar o dinheiro que seria para Curisco e mandou Santo levar outro bilhete pedindo mais dinheiro a Mané Brijinho para entregar a Curisco. Mané Brijinho ao receber aquele outro bilhete, e desta vez escrito por Lampião, mandou mais dinheiro. Por coisas do diabo, o comandante do testacamento de Poço Redondo chamado sargento Ernani ficou sabendo daquele negócio e mandou prender Santo. Exigiu que Santo contasse tudo, mas sem êxito. Aí o comandante, desconfiado, preparou uma armadilha. Foi à casa de Santo, numa madrugada velha, escura, passando-se por Curisco e pegou o dinheiro. Santo entregou o dinheiro, no escuro, pela janela, acreditando ser Curisco, o Diabo Louro das Caatingas. Santo foi enganado.

Sem demorar muitos dias, Curisco apareceu em Poço Redondo com o demônio no couro, encachaçado. Prendeu Ariston de Horácio e foi para a Fazenda Mandaçaia. Foi buscar o dinheiro que mandou pedir a Mané Brijinho. O Diabo Louro das Caatingas encontrou Santo trabalhando na roça, consertando uma cerca, nas proximidades da sede da Fazenda Mandaçaia.

E, aos gritos, já diz:

- Santo, fio do cabrunco, traga logo o dinheiro que mandei buscar do véio do Brijinho!

O pobre do Santo, homem trabalhador e honesto, tremia de medo. Estava em apuros. Estava sem entender. Há três dias já havia feito a entrega do dinheiro solicitado ao próprio Curisco. Nada disso. Santo foi enganado pelo chefe do destacamento, o sargento Ernani.

Santo tenta explicar. Diz que há uns três dias já havia entregado a Curisco o dinheiro. O Diabo Louro das Caatingas estava mesmo como o diabo em carne e osso naquele momento. Não quer ouvir nenhuma desculpa ou explicação daquele vaqueiro, honesto, sem maldade, justo e trabalhador, um santo chamado Santo. Um santo, justo e honesto, chamado Santo estava diante de um diabo, bandido e inescrupuloso, chamado de Diabo Louro, o Curisco.

Apenas um tiro de mauser disparado impiedosamente por Curisco matou ali sob o alpendre do telheiro da Fazenda Mandaçaia um filho de Poço Redondo, o Santo de Caçula.

Dona Caçula de Santana ficou viúva naquele sertão desolado pela seca inclemente e pela violência dos cangaceiros e das volantes. Dez filhos para criar: Daniel, Manoel, Angelino, Pedro, Miguel, Rosalvo, Mariquinha, Celestina, Josefina e Maria. Todos de Caçula. Todos conhecidos com o "de Caçula". Todos com esse nome em homenagem à aquela mãe guerreira, que resistiu sendo mãe e pai para criar dez filhos sozinha, viúva da violência do Cangaço. Maria de Caçula, Manoel de Caçula... Todos os dez "de Caçula".

Manoel de Caçula, um dos filhos de Santo e Caçula, mora na cidade de Pedro Alexandre. Sempre que vou a Serra Negra eu o vejo lá. E peço a licença e compreensão do seu Manoel para postar a foto abaixo, pois sei que ele não gosta de falar sobre esse assunto de cangaço.

Na fotografia, estou eu ladeado com dona Eunice, aquela mesma senhora que guardou as urnas eleitorais em Serra Negra, captadas por Zé de Julião no dia daquela histórica segunda eleição em Poço Redondo, e com o senhor Manoel de Caçula(Manoel Florêncio de Santana), filho de Santo e Caçula.


http://blogdomendesemendes.blogspot.com

FILME BAILE PERFUMADO


http://blogdomendesemendes.blogspot.com

ANIVERSÁRIO DO DR. MANOEL SEVERO BARBOSA


Por Voltaseca

HOJE, é o dia do ANIVERSÁRIO do Dr. Manoel Severo Barbosa, o grande timoneiro do Cariri cangaço.

Esse movimento cultural que vem se alastrando por todo o nordeste a 10 anos.

A Dr. Manoel Severo Barbosa, nossas felicitações e, que Deus o ilumine na sua caminhada... abs.

Foto: Pescada professor Google


http://blogdomendesemendes.blogspot.com