Seguidores

quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

NA BACIA DAS ALMAS

Por Rangel Alves da Costa*

Há instantes na vida, no vai e vem do destino, que a pessoa passa a estar verdadeiramente dependente da bacia das almas. Em determinadas situações, onde tudo já parece perdido, pois tudo já tendo se mostrado sem nenhum efeito, então a pessoa se prostra para ver se enxerga resposta na bacia dos aflitos. Não que a seus pés esteja um vaso com água e que se ajoelhando veja refletida a resposta ao que deva fazer, mas no que encontra como último refúgio, como última salvação.
Eis, pois, a bacia das almas. Na bacia lava-se, purifica-se, avistam-se na sua água os sinais do destino. Mas nela também se joga o grão que some ao fundo ou mesmo enxerga-se o nada ter no seu raso. Deseja-se uma esmola por não haver nada na bacia ou desespera-se porque a qualquer instante o que nela resta vai desaparecer. Então, fazer o que? Sofrer. O mesmo sofrimento dos aflitos diante da bacia que clama para não sumir no seu próprio raso. O sofrimento percebido em toda bacia das almas.
A expressão é comumente usada como ditado popular, mas contém história de uso. Popularmente se diz que a pessoa está na bacia das almas quando está entregue à última sorte da vida, quando parece que nada mais lhe resta como salvação. Não raro se diz que a situação se mostra tão difícil de ser superada que ao sujeito só resta esperar pela dádiva da bacia das almas. Ou que depois de tudo tentado e nada conseguido, agora desesperadamente se lança à bacia dos suplicantes. Entregues a tal destino, as almas aflitas passam geralmente a depender de outros que lhes estendam à mão.
Historicamente, há relatos que no período medieval irmandades se reuniam para angariar fundos para a celebração de missas em favor das almas do purgatório; ou seja, daquelas pessoas que necessitavam ultrapassar os portais do Paraíso e não tinham mais nada a oferecer para espiar seus pecados. Desvalidas, tais almas necessitavam da intercessão dos vivos por meio de missas, preces e oferendas. E tudo leva a crer que as bacias tanto eram os recipientes para arrecadação de fundos como as denominações das irmandades reunidas para tais fins.

Mas o conceito atual sempre remete a bacia das almas a uma situação dramática, desesperadora. Carrega em si uma noção de tormento e aflição. Na tal bacia está aquele que passa por extrema dificuldade, que não encontra mais possibilidade de resolução de seus problemas, que está entregue a qualquer sorte e nada mais depende somente dele. Soa como o último remédio, o último recurso, àquilo que a pessoa desesperadamente se apega como meio de libertação do perigo e do sofrimento. Ora, depois de tudo tentado e nada conseguido, abraça cegamente qualquer milagre que lhe pareça restar.
Assim, quando tudo já visto como perdido, então o milagre pode emergir da bacia dos aflitos, dos desvalidos. Ou, de modo diferente, somente na bacia das almas a pessoa é capaz de fazer algo jamais imaginado em outra situação, de tomar uma atitude tão extremada que a outra coisa não se afeiçoa senão como gesto desesperador. Neste último aspecto, a aflição e a desesperança fragilizam a tal ponto que torna o ser impotente, inútil para agir de outro modo e até desconhecido de si mesmo. Não há mais razão para sustentar uma negativa ou rejeitar a submissão, vez que sua condição se mostra tão desfavorável que nada pode exigir além do oferecido.
Os que sofrem e os necessitados, os que clamam por uma última ajuda, todos estes vivem à mercê da bacia das almas. Nesta o último rogo, o clamor angustiado, a extrema súplica. Alguém se desfaz de um bem desde muito carinhosamente guardado porque não encontra outra saída para resolver um problema. E outro adquire esse bem a preço vil porque encontrou a fragilidade naquele em lastimosa situação. Quando tudo já não surte mais efeito e a doença parece ter vencido, então se lança a qualquer tentativa de cura e pelos meios mais impensados. Dificilmente alguém penhora uma aliança muito antiga de casamento se não estiver com grande dificuldade financeira, ou com a corda no pescoço, como comumente se diz. Tais situações exemplificam a bacia das almas como último e desesperador recurso.
O sertanejo, por exemplo, que tanto se apega ao seu quase nada ter, só se desfaz de sua última e ossuda vaquinha se já estiver, verdadeiramente, na bacia das almas. Está tão necessitado que não encontra outra saída senão entregar parte de seu próprio ser por verdadeira ninharia. Em épocas de grandes secas, aliás, a vida do pobre sertanejo fica sempre à mercê desse poço raso dos aflitos. Desfaz-se de tudo que ainda lhe resta por qualquer tostão. Torna-se tão fragilizado que é iludido, enganado, subtraído daquilo que ainda lhe dava sustentação. E é assim que abre a cancela para o animal de estimação, para a sela carcomida de sol, e não raro para a própria família, pois até o terreninho entrega por dois vinténs.
A bacia das almas é, assim, o limite entre a força e a fragilidade humana. Diante dessa situação extrema, alguns compreensivos e de bom coração ajudam a transformar a súplica em salvação. Já outros, sempre se aproveitando da ocasião, simplesmente afundam a bacia e quem nela esteja pendente.
Poeta e cronista
blograngel-sertao.blogspot.com
http://blogdomendesemendes.blogspot.com

LIVROS DISPONÍVEIS NA LIVRARIA DO PROFESSOR PEREIRA

 ,

SETEMBRO/2014


.

 
A. Otaviano Vieira Jr.
Entre Paredes e Bacamartes, história da família do sertão(1780-1850)   2004
316 pág.
40,00
Ótimo estado
Abdon Monteiro de Lima
Memórias de Um Vaqueiro Cearense 1982
153 pág.
28,00
Bom estado/envelhecido
Abelardo F. Montenegro
Fanáticos e Cangaceiros 2011 – Clássico 2ª Ed.
420 pág.
70,00
Novo /
Abelardo F. Montenegro
Os Partidos Políticos do Ceará 1980
257 pág.
20,00
Bom estado
Abelardo F. Montenegro
Ceará e o Profeta da Chuva   2008
356 pág.
40,00
Novo
Abelardo F. Montenegro
Fanáticos e Cangaceiros 1ª Edição 1973

100,00
Bom estado/envelhecido
Abilio Wolney Aires Neto
O Diário de Abilio Wolney 2009
370 pág.
60,00
Novo
Abílio Wolney Ayres Neto
O Duro e a Intervenção Federal 2006
307 pág.
50,00
Ótimo estado
Abílio Wolney Ayres Neto
No Tribunal da História (caso do Tronco em São José do Duro- GO, hoje Dianópolis-TO) 2009
177 pág.
40,00
Ótimo estado
Adelaide Gonçalves
Ceará socialista Anno 1919(Ed. Fac-Similar)
120 pág.
30,00
Ótimo estado
Afonso D’Escragnolle Taunay
A Guerra dos Bárbaros  3ª Ed.  2010
452 pag.
60,00
Novo
Agamenon Magalhães
O Nordeste Brasileiro(1970)  1992
100 pag.
18,00
Bom estado manchas
Airton de Farias
Delmiro Gouveia
101 pág.
15,00
Bom estado/livro de bolso.
Alberto Farias
O Padre Cícero e  a Invenção do Juazeiro
432 pág.
65,00
Ótimo estado
Alberto Porfírio
Poetas Populares e Cantadores do Ceará 1978

35,00
Bom estado
Alcino Alves Costa
Lampião Além da Versão, Mentiras e Mistérios de Angicos – 2011 (3ª Ed.)
410 pág.
55,00
Novo
Alcino Alves Costa
Lampião Em Sergipe 2011
298 pág.
65,00
Novo
Alcino Alves Costa
Poço Redondo - A Saga de Um Povo
349 pág.
60,00
Novo
Alcino Alves Costa
Maria do Sertão. Romance que referencia a beleza,o sentimento e a coragem da mulher sertaneja
326 pág.
40,00
Novo
Aloysio Pereira Lima
Cel. José Pereira Lima(Zé Pereira de Princesa)(Paraibanos do Século)
52 pág.
18,00
Bom estado
Alvim Martins Horcades
Descrição de Uma Viagem a Canudos 201
186 pág.
50,00
Novo
Amália X. de Oliveira
O Padre Cícero Que Eu Conheci

50,00
  Novo
Ana Cláudia Marques
Intrigas e Questões: Vingança de família e tramas sociais no sertão de Pernambuco 2002
352 pág.
45,00
Ótimo estado
Ana Cláudia Marques e outros
Andarilhos e Cangaceiros 1999
233 pag.
45,00
Novo
Ana Lúcia Granja e Paulo Gastão
Sítio dos Nunes de Flores, vive a Saga Cangaceira: Processo crime contra Lampião, Sabino Gomes e outros.(transcrição)
46 pág.
18,00
Novo
Ana Paula da Cruz Pereira de Moraes
Em Busca da Liberdade, Os Escravos no Sertão do Rio Piranhas – PB  (1700-1750) 2011
158 pág.
30,00
Novo
André Heráclio do Rego
Família e Coronelismo no Brasil- Uma História de Poder  378 pag.

40,00
Ótimo estado
Angela Barros Leal
A História do Ceará passa por essa Rua 1993
143 pag.
25,00
Bom estado
Angelo Osmiro
Assim Era Lampião e Outras Histórias
236 pág.
45,00
Novo
Anildomá Wilans de Souza
Lampião, O comandante das Caatingas
157 pág.
50,00
Ótimo estado
Annette Dumoulin, Ana T. Guimarães e MCP Forti(Editores)
Anais do III Simpósio Internacional Sobre Padre Cícero do Juazeiro: e...quem é ele? 2004 (ótimo livro)
285 pág.
50,00
Novo
Antonio Amaury C. de Araújo
Gente de Lampião – Sila e Zé Sereno

25,00
Ótimo estado
Antonio Amaury C. de Araújo
Lampião e as Cabeças Cortadas
273 pág.
60,00
Novo
Antônio Amaury C. de Araújo
Lampião, Segredos e Confidências do Tempo do Cangaço  3ª Ed. 2011
229 pág.
60,00
Novo
Antônio Amaury C. de Araújo
Maria Bonita, A Mulher de Lampião 2011
279 pág.
55,00
Novo
Antônio Amaury C. de Araújo
Lampião - As Mulheres e o Cangaço 2012
399 pág.
55,00
Novo
Antônio Amaury C. de Araújo
Gente de Lampião: Dadá e Corisco 2011
329 pág.
60,00
Novo 
Antônio Amaury C. de Araújo
Assim Morreu Lampião 1982
140 pág.
35,00
Bom estado
Antônio Amaury C. de Araújo
Assim Morreu Lampião – Nova Edição  2013
317 pág.
55,00
Novo
Antonio Amaury e outro
Lampião, Herói ou Bandido?

25,00
Novo
Antônio Assis Costa - Tota Assis
A(s) Cajazeiras Que Eu Vi e Onde Vivi   -  2013      3ª edição(Faz referência ao ataque de Sabino Gomes a Cajazeiras em 1926)
263 pág.
35,00
Novo

Convite evento ACE- Divine Académie Francesa


Professor Benedito segue o convite atinente a Solenidade da Divine Académie Française / ACE, que será realizada no Centro de Eventos de Fortaleza, no próximo dia 13, por ocasião da XI Bienal Internacional do Livro de Paris.

Como embaixadora da Divine Académie, solicito que o amigo, integrante da equipe do Projeto Cultural Brasil França,  convide os presidentes de Academias de Letras e instituições congêneres do Rio Grande do Norte, para essa solenidade e proceda como a necessária divulgação, através dos meios de comunicação.

Abraços. Socorro Cavalcanti.

Enviado pelo professor Benedito Vasconcelos Mendes

http://blogdomendesemendes.blogspot.com

LAMPIÃO A RAPOSA DAS CAATINGAS

Por José Mendes Pereira

Grandes amigos que vivem procurando novidades sobre o cangaço, assim como eu, leiam em "LAMPIÃO A RAPOSA DAS CAATINGAS", nas páginas 70 e 71, TÍTULO: "CASAMENTO DE JOSÉ FERREIRA E MARIA LOPES", e vejam o que diz o autor deste livro José Bezerra Lima Irmão, sobre Antonio Ferreira, irmão de Virgulino Ferreira da Silva, o afamado e sanguinário Lampião. 

Colorizado pelo professor e pesquisador do cangaço Rubens Antonio

José Bezerra Lima Irmão autor deste livro disse o seguinte:


Estimado amigo José Mendes, você tocou num ponto importantíssimo para todos os que levam a sério o estudo do cangaço. 

Eu tenho cópia da escritura do terreno que pertenceu ao pai de Lampião, bem como do terreno do sogro. Tenho a certidão do casamento dos pais de Lampião. Tenho as certidões de Lampião (Virgulino), Antônio Ferreira, Livino e Ezequiel. 

Você recomenda a leitura das páginas 70 e 71 do meu "Lampião - a Raposa das Caatingas". Os interessados não podem deixar de ler também as notas de rodapé. Tenho tudo documentado.

Um abraço, irmão.

Fonte: facebook
Página: Geraldo Júnior

http://blogdomendesemendes.blogspot.com

CONHEÇA OUTROS 8 ASSASSINOS MAIS JOVENS DO MUNDO - PARTE VI

Garota A (Nevada Tan) 

 6 – Garota A (Nevada Tan) – 2004

Uma colegial japonesa que mata uma colega de classe com um estilete pode parecer a descrição da cena de algum filme de terror oriental, mas foi algo muito real que aconteceu em junho de 2004, na cidade de Sasebo, localizada na província de Nagasaki, no Japão. Apelidada apenas de Garota "A", a menina tinha apenas 11 anos quando cometeu o crime.

Durante o intervalo do lanche, a Garota A e uma colega, Satomi Mitarai, de 12 anos, desapareceram. Quando retornou para a sala de aula, a jovem "A" estava com as roupas cobertas de sangue.

A professora acionou a polícia, e, após uma busca pela escola, o corpo da outra garota desaparecida foi encontrado. Satomi teve a garganta e os braços cortados com um estilete e morreu antes que pudesse receber ajuda.

Localização da cidade de Sasebo

Quando questionada, a Garota "A" admitiu o crime, dizendo que tinha feito “algo muito errado” e pediu desculpas. Ao ser pressionada sobre os motivos, a jovem admitiu que o motivo da briga que levou ao assassinato foi que a vítima estava fazendo cyber bullying, implicando principalmente com a aparência dela.

Ironicamente, justamente a aparência inocente e a tenra idade da Garota "A", chamaram atenção de fóruns de internet como o 2Channel e o 4Chan. Por causa de uma foto divulgada por uma rede de TV japonesa em que ela usava um moletom escrito “NEVADA”, ela foi apelidada de Nevada Tan e virou um meme, ganhando uma legião de fãs que fizeram diversos desenhos e até mesmo cosplay da jovem assassina.

CONTINUA...

http://www.megacurioso.com.br/comportamento/54512-conheca-outros-8-assassinos-mais-jovens-do-mundo.htm?utm_source=HomePortal&utm_medium=baixaki

http://blogdomendesemendes.blogspot.com