Seguidores

domingo, 31 de maio de 2015

DOCUMENTÁRIO LAMPIÃO O REI DO CANGAÇO


Fonte: facebook
Página: Betu Maia

http://blogdomendesemendes.blogspot.com

HOJE É DOMINGO - SÓ PARA DESOPILAR - XOTE GAITEIRO VONINHO

www.youtube.com/watch?v=Obdh9s-WqLg 

Lá de cima Deus olha e diz:

- Que bicho inteligente é o homem! Inventou uma tal de dança! E eu quando o fiz nem pensei nesta possível dança. Eu nem a conhecia - muito jogo de cintura! Não tem salto alto que atrapalhe! 



Só para desopilar

http://blogdomendesemendes.blogspot.com

PROFESSOR DA UERN VIRÁ PRESTIGIAR O FESMUZA


Mais uma estrela gonzagueana confirma presença às festividades em homenagem ao “Rei do Baião” no próximo dia 15 de agosto, no Parque Cultural, município de São João do Rio do Peixe.

Trata-se do professor de Geografia, escritor e romancista José Romero Cardoso, da cidade de Mossoró-RN.

Romero Cardoso, além da paixão pela história gonzagueana, é colunista do site www.caldeiraodochico.com.br


http://blogdomendesemendes.blogspot.com

GUARDE NA LEMBRANÇA. NÃO ESQUEÇA JAMAIS!


Fonte: facebook
Quem a colorou: ????????

http://blogdomendesemendes.blogspot.com

CANGACEIRO BALÃO II


Guilherme Alves dos Santos (Balão II) era baiano de Paulo Afonso, nasceu em 1919. Entrou para o Cangaço em 1929, travando seu primeiro combate contra a Volante Policial comandada por Mané Neto.


Estava presente em Angico no momento do ataque da Força Policial Volante comandada pelo Tenente João Bezerra, quando foram mortos Lampião, Maria Bonita, nove cangaceiros e um Soldado Volante.

Entregou-se a Polícia baiana em Jeremoabo no dia 21 de outubro de 1938, juntamente com outros cangaceiros, em troca de anistia pelos seus crimes.

Após o Cangaço concedeu inúmeras entrevistas e seus depoimentos ainda hoje causam desconfiança entre pesquisadores e estudiosos do assunto.

Faleceu aos 82 anos, no dia 13 de Junho de 1992 na cidade de Itaquaquecetuba no estado de São Paulo, onde residia com sua família.

Na fotografia acima Balão II aparece ao lado de sua terceira esposa e de cinco de seus VINTE E CINCO filhos.

Fonte: Livro Cangaceiros de Lampião de A a Z (Bismarck Martins)
Adendo: Geraldo Antônio de Souza Júnior

Fonte: facebook

http://blogdomendesemendes.blogspot.com

SABINA MARIA, APRISIONADA, EM 1932

Por Rubens Antonio


Sabina Maria, 100 anos, nascida em 1915... Se for a mesma, na foto original do tópico ela teria 17 anos. E o pior: Dona Sabina guarda muitos segredos, ela conhece muito o cangaço e como eu já disse aqui, me ajudou muito a compor o panorama do cangaço aqui na região. Ela não é de Itabaiana.


Fonte: facebook

http://sednemmendes.blogspot.com
http://mendespereira.blogspot.com
http://jmpminhasimpleshistorias.blogspot.com

http://blogdomendesemendes.blogspot.com

O Ferro de Zé Baiano

 Por Alfredo Bonessi

"O Professor, Historiador, Pesquisador da Cultura Nordestina e Cangaço,  Alfredo Bonessi, recentemente fez  uma descoberta importante e relevante para os estudos do Cangaço. Descobriu  o paradeiro do ferrete  “JB” do cangaceiro Zé Baiano,  do Grupo de Lampião".


O ferrete se encontra afixado na parede do Museu Histórico Nacional, no Rio de Janeiro, junto uma porção de ferros utilizados no tempo da escravidão no fim século XIX, aqui no Brasil".


O ferrete era considerado pelo Museu como  um utensílio de tortura dessa época. Com esse instrumento de tortura Zé Baiano ferrava as vítimas, a maioria mulheres, no rosto, nas nádegas e nas partes íntimas, às vezes porque tinham cortado os cabelos, e outras vezes,  porque eram mulheres de militares, soldados da polícia, que perseguiam o bando de cangaceiros.


Zé Baiano era tido com um cangaceiro rico e sua vida no cangaço ficou caracterizado  como um cangaceiro malvado, que não tinha dó de suas vítimas. Possuía  uma mulher muito bonita de nome Lídia, cangaceira  também, que era alvo de todas as atenções desse cangaceiro a ponto de receber comida na boca, e de ganhar jóias e muito presentes de parte dele. 

Pega no flagra, no meio do mato, em amores com o cangaceiro Bentevi, do bando de Corisco, Lídia foi amarrada a uma árvore, onde passou a noite gritando e chorando muito, implorando pela vida e pelo perdão do seu amado. Zé Baiano refugiou-se em sua tenda onde passou a noite em claro.  O dia vinha nascendo quando Zé Baiano cavou a cova ao lado da árvore onde estava presa a Lídia, e a matou a pauladas. A seguir enterrou o corpo e sentou-se em cima da cova, onde desandou a chorar.

Zé Baiano foi morto por Antonio da Chiquinha e mais três sertanejos, armados de facão, durante a comilança de uma fatada de bode, regada a cachaça, a mando dos devedores de Zé Baiano, que eram muito e as somas eram vultuosas, segundo dizem, ou segundo outros, para se apossarem das riquezas do cangaceiro.

Enviado por:alfredobonessi@gmail.com

Adendo - blogdomendesemendes.blogspot.com

Compare acima as fotos das mulheres marcadas com o ferro do cangaceiro Zé Baiano, pois o ferro que foi usado no rosto de dona Maria Marques não foi o mesmo que ferrou o rosto da outra senhora de nome Balbina. 

http://cariricangaco.blogspot.com

CAPITÃO JOSÉ GALDINO DE SOUZA

Por Rubens Antonio‎ 

Capitão José Galdino de Souza, comandante da força pública, com sede em Senhor do Bonfim, Bahia, que iniciou o combate aos cangaceiros no final dos anos 1920 e início dos anos 1930.

Sob seu comando, como vingança às mortes dos soldados, em Brejão de Dentro, Campo Formoso, foram retirados de cela, em Senhor do Bonfim, e fuzilados três parentes dos cangaceiros Corisco e Arvoredo.

Fonte: facebook

http://blogdomendesemedes.blogspot.com

LAMPIÃO POSSIVELMENTE COORDENANDO ABANDONAR ACAMPAMENTO.



Oi Narciso! No filme do Benjamim Abraão Lampião aparece nessa cena nitidamente coordenando um ataque simulado. Ele parece apitar insistentemente e gesticula com as mãos indicando direções. É apenas minha opinião, pois, eu não estava no local e nem por perto. Mas analise o filme com atenção. 

Abração meu amigo.


Na sequência dessa cena, acima mostrada pelo mestre Narciso, se não me falham os 'miolos', Lampião, após a 'cabroeira', de costas e atirando, afastar-se, passa para o lado oposto em que encontra-se, e, como se repetissem a cena, a 'fuga' ou 'ataque', é ocorrido e, dessa vez, alguém do bando cai por terra, fingindo-se ferido, quando dois ou três companheiros o socorrem, levando-o nos braços.


Simulações feitas, a pedido do árabe Benjamin Abraão. O maior desejo desse último, era FILMAR UM COMBATE REAL, mas não conseguiu. No ataque de cangaceiros à cidade de Piranhas-AL, o árabe estava do outro lado do Rio S. Francisco (lado sergipano), doido para filmar, mas não conseguiu um barqueiro que tivesse coragem de conduzi-lo até lá. Perdeu a grande oportunidade...!


Acredito que se trata de uma fuga onde ele orienta os cangaceiros para proteger os companheiros retirando o(s) ferido(s) e possivelmente contra atacar caso haja condições para isso.


Meramente simulações, uma vez que só existiu uma pessoa que captou imagens do bando na caatinga.

Fonte: facebook

http://blogdomendesemendes.blogspot.com

sábado, 30 de maio de 2015

ANGICOS 1938 – FINAL


Madrugada em Alagoas quando a tropa, numa pisada felina, foi-se aproximando de Lampião. Eram quatro horas da manhã. Bezerra dera ordens terminantes aos seus homens para que aguardassem um sinal convencionado a fim de abrir fogo. No entanto, os soldados haviam se aproximado demais do local.

O grotão estava semi-silencioso. Fazia instantes que Maria Bonita acordara, deixando a tenda com uma vasilha na mão, para vir acender o lume e fazer café da manhã no terreiro. Um soldado do aspirante Ferreira, que se aproximara demais do coito, não se conteve com medo talvez de ser descoberto. Esquecendo a ordem do tenente, rompeu fogo por sua conta.


Dera tempo, no entanto, a que Maria Bonita servisse um cafezinho ao Capitão. A rajada da costureira do soldado foi dada quase à queima-roupa. Pois a cinco metros do tenente Bezerra estava José Sereno, já desperto. O aspirante Ferreira Tinha Virgulino a poucos metros da sua mira. A rajada do soldado deu início, assim, ao tiroteio.

Luiz Pedro, saltando de dentro de uma tenda, chapéu não mão, gritou:

- Compadre Lampião, vamos embora que é gente muita!

Maria Bonita, aturdida, teve tempo ainda de replicar a Luiz Pedro:

- Luiz, você não disse que nunca abandonaria o seu compadre Lampião?

Aí Luiz Pedro estacou. Não foi mais homem para correr. Não pode, porém, reagir a violência e subitaneidade do ataque. Quando ia fazê-lo, caiu trespassado, pesadamente.

Outra rajada atingira de frente, na cabeça e em várias partes do corpo, o Capitão Virgulino. Ele já estava de rifle na mão, mas vergou sobre os pés, esbujando no chão. Maria correu para junto dele, as mãos postas aos céus, orando talvez. Dizem que as últimas palavras do Capitão foram de mensagem à polícia:

“Não tenho dinheiro”

Os que puderam escapar, fizeram-no saltando as pedras do riacho, numa debandada infernal, acometidos que foram de surpresa. A polícia calculou em meia centena o número dos que estavam com Lampião em Angico.

O combate fora de curtíssima duração, um quarto de hora, pouco mais ou menos.

Morta, ao lado do Capitão, estava Maria Bonita. Trajava a defunta um vestido de seda cinza, de sombra estampada, quando o cabo Bertoldo, degolou-a, com um só golpe de facão “Jacaré”.

“Sua pele era macia, seu corpo não tinha uma cicatriz, parecia feito de louça”, confidenciou, mais tarde, em prantos, o cabo degolador.

As tendas de chita, onde Lampião e o bando dormiam, arriaram sobre as armações de forquilhas. Pelo chão, no fim da refrega, viam-se, dispersos, os objetos de usos daquela estranha comunidade.

Estavam mortos Luiz Pedro, Desconhecido, Cajarana, Diferente, Mergulhão, Elétrico, Caixa de Fósforos, Quinta–feira, e Enedina, esta última mulher de José de Julião, que logrou escapar.

O soldado José Panta, ao ver tantos corpos estendidos, disse ao cabo Bertoldo:

- Bertoldo, tem gente morta aqui que dá agonia!

- Viva Nossa Senhora! – Gritou, em resposta, o cabo alagoano, cercado pelos soldados Honoratinho, Antonio Ferro, Agostinho e Abdon.

O aspirante Ferreira ordenou a degolação dos cadáveres. Um único soldado da tropa morrera, o de nome Adrião, e um outro saíra ferido. O corpo do morto foi recolhido pelos companheiros.

 Adrião Pedro de Souza é o primeiro da esquerda - Esta foto pertence ao acervo do professor, escritor e pesquisador do cangaço Antonio Vilela de Souza

Reza a tradição que o sargento Aniceto, para apoderar-se dos troféus, não perdeu tempo em retirar dos cangaceiros os anéis que traziam. Empunhando o seu facão, decepava-os em bloco, embolsando os dedos ainda com os anéis.

Depois da degola, contavam-se onze cabeças. Elas foram postas em latas de querosene, imersa em álcool e sal e levadas às canoas na beira do rio.

No percurso de volta, rumo a Maceió, pelas estradas, formou-se alegre cortejo: três caminhões, quatro carros.

Abismados, na orla dos caminhos, pelas ruas e praças das cidades e povoados, os sertanejos contemplavam aquelas medusas retardatárias. Como as gentes do nordeste baiano haviam olhado, estarrecidas, quarenta anos antes, a cara disforme de Antonio Conselheiro.

Durante o trajeto, conseguiu-se formol para conservar as cabeças de Lampião e Maria Bonita. As demais fediam, no seu apodrecimento.

Em Limoeiro de Anadia, numa das paradas desse museu ambulante de horrores, olhando fixamente a cara de Virgulino Ferreira da Silva, um homem do povo comentou:

- Parece mentira, mas é o Capitão mesmo!

As mocinhas de Palmeira dos índios ficaram exultantes com a passagem do circo exótico, do teatro medieval. E, na vila de Mosquito, outro sertanejo assim falou:

- Mataram o Capitão, eu sei, porque oração forte não vale dentro d’água...

Aludia ao riacho seco, cujas pedras serviram de túmulo a Virgulino Ferreira, apenas coberto por elas, no grotão dos angicos.

No momento em que se feriu o combate, o tenente João Bezerra não tinha a menor noção do seu alto feito d’armas. Soube que Lampião havia morrido quando dele se aproximou um soldado, com uma cabeça na mão, no meio daquela fumaça que se levantava em derredor e do nevoeiro chuvoso que se abatia dentro da madrugada, comunicando-lhe isto:

- Seu tenente, o cego também morreu.

E levantou, diante do espantado comandante, que fora levemente ferido, a cabeça em que se reconhecia o olho vidrado do Capitão Virgulino Ferreira da Silva Lampião.

Aquele olho terrível que nos fitava do fundo da histórias do sertão...

FIM!
Fonte: Capitão Virgulino Ferreira: Lampião
Autor: Nertan Macêdo
Edições O Cruzeiro Rio de Janeiro
Ano: 1970

http://blogdomendesemendes.blogspot.com

UM MOSSOROENSE DE LENTES NÍTIDAS

José Rodrigues do Foto Rodrigues

Atenção senhores da cultura e da intelectualidade! Soube que o fotógrafo José Rodrigues está passando por sérios problemas de doença e precisando URGENTE de uma cirurgia (não sei ao certo de que).

A informação me foi repassada pelo presidente da Academia Mossoroense de Letras, Elder Heronildes, mas superficialmente, então, caso alguém possa ajudá-lo, vamos nos inteirar e ver o que podemos fazer, antes que seja tarde.

ADENDO: http://blogdomendesemendes.blogspot.com

Grande Caio César Muniz, o José Rodrigues (Dedé do Foto Rodrigues) já foi cirurgiado, mas eu não o vi neste final de semana, passei em sua residência, ele estava dormindo, e não entrei em detalhes com sua esposa Tonheira como ocorreu a sua cirurgia.

Roberto Carlos e José Rodrigues (Dedé do Foto Rodrigues)

Dedé do foto Rodrigues é o profissional mais antigo nesta área em Mossoró, e  é muito conhecido na cidade, devido os seus belos trabalhos que tem feito por este Rio Grande do Norte, inclusive fotografou pessoas importantes de todos os Estados.

José Rodrigues (Dedé do Foto Rodrigues) frei Damião e Câmara Cascudo

Mas de precisar de ajuda de quem tem e pode fazer, com certeza ele está precisando, e muito agradecerá aos que colaborarem em prol da sua saúde. Até uma visita é muito importante para quem se encontra enfermo. Reanima, dar força para vencer a doença...

http://blogdomendesemendes.blogspot.com
http://jmpminhasimpleshistorias.blogspot.com

CANGACEIROS CARIRI

Por Manoel Severo

Não obstante o fenômeno do cangaço tenha abrangido sete dos nove estados do nordeste, foi o interior pernambucano que deu origem aos mais destacados personagens desta epopeia brasileira; Sebastião Pereira e Virgulino Ferreira. Na verdade, ambos nasceram na chamada microrregião do Vale do Pajeú, mais precisamente na cidade de Vila Bela, que a partir de 1942, passou a se chamar Serra Talhada por proposta do interventor de Pernambuco na época, Agamenon Magalhães, filho ilustre do lugar. O Vale do Pajeú é composto por dezessete municípios, tem clima semi-árido na grande maioria de seu território, com exceção da região do chamado “brejo de altitute” onde se localiza a bela Triunfo. Seria ali no Vale do Pajeú, com seus municípios e vilarejos, entre os quais: Afogados da Ingazeiras, São José do Egito, Solidão, Santa Cruz da Baixa Verde, Flores, onde se desenrolariam os primeiros atos da sinfonia cangaceira de Lampião.

Os maiores destaques do Vale do Pajeú, sem dúvidas eram os municípios de Triunfo e Vila Bela. Triunfo, uma bela cidade serrana onde se localiza o ponto mais alto do estado de Pernambuco (1.004 metros), região brejeira, possuía uma economia baseada na agro manufatura de rapadura e no minifúndio, dessa forma possuía uma vida um tanto mais urbanizada e de comércio mais organizado e desenvolvido que Vila Bela, sua elite política e intelectual composta de comerciantes, médicos e juristas se distinguiam da de Vila Bela formada basicamente pelos coronéis do gado; a aristocracia rural; que com o desenvolvimento da pecuária bovina e caprina juntamente com a agricultura eram a base da economia vilabelense. Ali estariam o berço dos irmãos Ferreira, Antônio, Livino e Virgulino, ligados ao clã dos Pereira, que ao lado dos Carvalho, disputavam o poder político local.

Muito se tem estudado sobre o real caráter do cangaço: suas origens, implicações, correlações, enfim. Historiadores, sociólogos, antropólogos, médicos, acadêmicos como um todo; escritores, curiosos, enfim têm se dedicado ao longo dos últimos anos ao estimulante e desafiador estudo sobre o que realmente representou tão emblemático fenômeno nordestino. É natural que as causas principais de tão comentado fenômeno estejam ligadas às condições sociais a que os sertanejos nordestinos do início de século estavam submetidos. As desigualdades sociais inerentes a uma política desastrosa de ocupação da terra; nascida com certeza, desde a colonização e as famosas sesmarias; que privilegia os grandes latifúndios; as constantes épocas de estiagem e pobreza, a ausência de um poder central forte e atuante diante das mais elementares demandas da pobre gente do sertão, concentrando de forma exacerbada o poder dos famosos coronéis de barranco, sujeitos à expropriação e à exploração, às injustiças, à violência, enfim; entretanto, esse seria apenas o pano de fundo de um fenômeno que não se encerra nos pontos acima citados.

Seriam os cangaceiros vingadores dos oprimidos? Seriam os cangaceiros elementos que estavam a serviço da justiça social e de uma melhor distribuição de terra? Seria o cangaço um movimento armado que nasceu para combater o poder dos coronéis, ou seriam apenas indivíduos de natureza condenável que diante de circunstancias desfavoráveis passaram a fazer parte do mundo do crime?

Podemos nos deter sobre vários correntes de estudo. Uma delas tem como referência o trabalho do renomado historiador britânico; nascido no Egito; Eric Hobsbawm, em seus livros Primitive Rebels, de 1959, e Bandits de 1969. Principalmente neste último, com a tese do Banditismo Social, que é enfocado como uma forma de resistência camponesa, sendo um fenômeno universal, uma vez que segundo Hobsbawm, os camponeses teriam todos eles um modo de vida muito parecido, pela forma como se davam suas relações de trabalho e sociais, deste modo se traçariam as similaridades com os sertanejos do nordeste brasileiro; notadamente de formação populacional eminentemente rural. Ainda recorrendo a Hobsbawm definiríamos a delinquência rural em três tipos de bandidos: o nobre, tipo Robin Hood; os guerrilheiros primitivos; e o vingador. Temos ainda o antropólogo e estudioso holandês Anton Blok que em um artigo de 1972 critica em alguns pontos o modelo do banditismo social de Hobsbawm, quando enfatiza que as populações rurais na verdade foram muitas vezes vítimas dos bandidos, que atendiam na verdade aos interesses das elites dominantes, em detrimento dos mais humildes, elites essas sem as quais não se sustentariam.

Em tese o cangaço poderia até ser compreendido como um movimento criado para combater a dominação dos coronéis; o que vamos observar, no entanto, é que acabaria sendo estabelecida uma relação simbiótica entre as partes; teoricamente de interesses contrários; cangaceiros e coronéis tornaram-se parte de um mesmo corpo, corpo doente e nocivo, um dependendo do outro, e que muito mal acabou causando principalmente aos mais humildes deste lado do Brasil. É interessante pontuar que os cangaceiros não defendiam apenas e unicamente os interesses da elite dominadora, eles próprios tinham seus interesses e motivos; nobres ou não; e lutavam por eles. Já os coronéis absortos em sua sede permanente de poder, precisavam estar sempre atentos ás suas próprias disputas contra famílias e clãs concorrentes, aqui abrimos um parêntese para ilustrar o caso mais emblemático que era a disputa dos clãs Pereira e Carvalho, no Vale do Pajeú. Devido à fraqueza do Estado na época e à dificuldade que este tinha em chegar a regiões mais remotas do país, como o sertão nordestino, os conflitos, nessa região, eram resolvidos de acordo com a lei do mais forte, daí a aliança com os grupos cangaceiros ser vital para a manutenção de poder.

Dentro de meu humilde esforço de curioso sobre o tema; para contextualizar social e antropologicamente o fenômeno do cangaço, acho interessante observar algumas considerações desenvolvidas por outros estudiosos e pesquisadores com relação ao fenômeno, mas me permito deter-me para encerrar esse pequeno artigo, a Carlos Alberto Dória, quando provoca: “o cangaço perpetuou-se na cultura nacional como elemento de nossa mitologia heroica. E Lampião, símbolo de primeira grandeza neste quadro, continua a ser uma individualidade polêmica...”

http://blogdomendesemendes.blogspot.com

CENTENÁRIO DE HUMBERTO TEIXEIRA


2015: ano centenário do compositor Humberto Teixeira, o doutor do baião, parceiro de Luiz Gonzaga do Nascimento. Humberto Teixeira foi autor, entre outros, do clássico "Asa Branca", o hino do nordeste brasileiro.


Fonte: facebook
Página: José Gonçalves

http://jmpminhasimpleshistorias.blogspot.com
http://sednemmendes.blogspot.com
http://mendespereira.blogspot.com

http://blogdomendesemendes.blogspot.com

LAMPIÃO EM CARIRIAÇU

Por Marcos Borges
Caririaçu no Ceará

Fiquei feliz com esse convite e também esse desafio do Editor da Tribuna da Serra, o jovem Isac Silva, já que sou apenas um simples e leigo pesquisador do assunto Cangaço bem como da história e acontecimentos do Nordeste e seus personagens, quero aqui deixar exposto que estou sempre às ordens para contribuir com assuntos que venham a enriquecer o conhecimento daqueles que se interessam por nossa história. Sem mais delongas, vamos aos fatos.

Para entender melhor essa rápida passagem do bando de Lampião por Caririaçu, mais precisamente pela Serra do Góes, tem que retroceder um pouco na história para que até mesmo os mais leigos no assunto possam absolver com mais clareza e facilidade esse fato inusitado acontecido nesta terra de São Pedro.

Virgulino Ferreira da Silva terceiro filho do casal José Ferreira e Maria Lopes, pequenos proprietários na ribeira do Riacho São Domingos, antiga Vila Bela atual Serra Talhada, foi o maior bandido em atividade do nosso País e há quem diga da América Latina entre as décadas de vinte e trinta, basta apenas frisar que o mesmo tinha em seu encalço os contingentes Policias de sete Estados da Federação que não mediam esforço para agarra-lo vivo ou morto, no entanto ele resistia a tudo e a todos, em uma mistura de coragem que muitas vezes atingia as raias da loucura. Inteligência, frieza, fúria, desapego à vida e astucia de sobra.

Município de Caririaçu, região do cariri cearense

Durante toda sua vida na criminalidade tinha outro fator que o destacava dos outros, o rei vesgo do cangaço, o mesmo era vaidoso, foi tema de livros ainda em vida, foi filmado em seu habitat natural pelo Sírio-Libanês Benjamin Abrahão Botto. Teve seu apogeu no ano de 1926, quando teve sua “promoção a Capitão do Batalhão Patriota” para combater a Coluna Prestes; a coluna Prestes foi um movimento entre os anos de 1925 e 1927, encabeçados por líderes tenentistas. Pois bem, saindo da Meca Nordestina com o que havia de mais moderno em armas e munição, teve condições para duplicar o seu poder de fogo e aumentar com isso seu contingente de facínoras para mais de uma centena de asseclas a seu comando.

Lampião dificilmente realizava ataques no Ceará, especialmente no Cariri, pois, segundo o próprio cangaceiro, não tinha inimigos no estado e respeitava a região por ser a terra de Padre Cícero, de quem era devoto. Se por um lado não tinha inimigos cearenses, por outro sobravam "coiteiros", como eram designados aqueles que davam abrigo e proteção aos cangaceiros. O principal "coiteiro" de Lampião no Cariri era o Coronel Isaías Arruda, do Município de Missão Velha e Aurora. Influenciado por esse poderoso chefe político, Lampião parte de Aurora para seu mais ousado e fracassado plano: assaltar a Cidade de Mossoró no Rio Grande do Norte, a segunda maior do Estado e uma das maiores do nordeste.

Parte do bando de Lampião que atacou Mossoró

Em 13 de junho de 1927, os cangaceiros invadiram Mossoró, mas foram recebidos a bala, e após cerca de quarenta minutos de intenso combate, bateram em retirada rumo a Limoeiro do Norte no Ceará. Fortalecida após a vitória, a Polícia potiguar, com apoio das Polícias da Paraíba e do Ceará, partiu no encalço do bando. Acuado, o bando rumou para o Cariri. Houve confrontos nas localidades de Riacho do Sangue (Jaguaretama), Cacimbas (Icó), Ribeiro e Ipueiras (os últimos em Aurora). 

O bando seguiu para a Serra do Góes (Caririaçu, no Ceará), nessa viagem às pressas o chefe maior do cangaço para na Fazenda Góes do Coronel Antônio Pinheiro Bezerra de Menezes. Basta imaginar que tal notícia deixou os moradores da pacata Vila de São Pedro em pavorosa. Pois bem, a Vila se preparou para receber a incomoda visita, com trincheiras nos becos e nas entradas de ruas, com fardos de algodão e sacos de areia, tendo à frente alguns valentes experientes em enfrentar cangaceiros, como João Gago, que já trocara tiros com o grupo de Lampião na Paraíba, Janjão de Ouro, homem de confiança de Maria Leal em são Matheus, atual Jucás, Antônio Delfino e Jose Neco, conhecido por Casa Velha. Tendo então o grande chefe de bando informações de que a vila o esperava desta forma, tira no rumo de Aurora evitando um confronto já que não lhe era vantajoso devido a tanta perseguição.

Após um período de alguns dias esperando a malta do mal e perdendo a paciência, seguem os chefes dos sitiados e mais alguns homens dispostos ao encontro do bando e se deslocam até a Serra do Góes tendo por parte do vaqueiro do coronel acima referido a alegre notícia de que o bando já tomara outro rumo e que a terra de São Pedro estava fora de perigo, com essa notícia volta à paz e a tranquilidade a reinar nessa terra abençoada por Deus e protegida por nosso padroeiro São Pedro.

Cangaceiro Jararaca, preso em Mossoró

Queria, no entanto, abri aqui um parágrafo para um assunto que descobri há algum tempo e que ainda não notei ninguém dar alguma atenção e valor ao fato que narrarei logo em seguida. Como um pesquisador vive da história e dos fatos nela encontrados e também como um assunto puxa outro, registro aqui nessas simples linhas um fato interessante e desconhecido. Nesse malsinado ataque a Mossoró o rei do cangaço perdeu dois de seus homens de maior e inteira confiança, Colchete ferido mortalmente no início da luta e Jararaca que foi ferido e capturado, depois de alguns dias foi enterrado vivo por ordem das autoridades locais. Chamava-se Jose Leite de Santana natural de Buíque Pernambuco, homem de inteira confiança de Lampião. Após o ingresso desse bandido de alta periculosidade ao bando de Lampião sua família passou a ser perseguida diariamente.

Chegou ao ponto de seu avô o velho Zuza como era mais conhecido ter sido ameaçado de ter seu cavanhaque arrancado pelo seu tio por nome de Francelino, não suportando mais tanta perseguição por parte da polícia junta a família e os poucos pertence que possuía em lombo de burros e se larga no oco do mundo indo para onde o destino lhe chamava. Quando o dia ia dando seus primeiros raios de Sol o tio de Jararaca já estava longe, chegando a terra do Padre Cicero, consegue uma audiência com o Santo do Nordeste e conta sua situação, é aconselhado a seguir com toda família para residir e trabalhar na Serra de São Pedro hoje Caririaçu, aqui ficando por muitos anos. Segundo alguns pesquisadores, quando os mais velhos foram morrendo os filhos e netos foram morar em Juazeiro onde ainda hoje possuem alguns remanescentes morando na ladeira do horto. A história é, antes de tudo, um divertimento: o historiador sempre escreveu por prazer e para dar prazer aos outros. Mas também é verdade que a história sempre desempenhou uma função ideológica, que foi variando ao longo dos tempos.

Marcos Borges
Caririaçu, Ceará

http://cariricangaco.blogspot.com
http://blogdomendesemendes.blogspot.com

NAS GARRAS DE LAMPIÃO

Por José Romero Araújo Cardoso

Raimundo Soares de Brito sintetiza e personifica um dos mais luminosos pontos da cultura potiguar, pois com esforço e obstinação vem contribuindo formidavelmente para o enriquecimento das letras e da preservação da memória em território potiguar.

A hemeroteca que estruturou é um dos mais importantes repositórios de informações sobre o Estado do rio grande do Norte, pois ávido colecionador de velhos jornais, velhos alfarrábios e tudo que tem letras e números, Rai Brito impressiona pelo amor ao saber e pelo desprendimento, pelo desinteresse em servir a quantos que o procura para pesquisas, consultas ou informações referentes a tudo que envolve o Rio Grande do Norte, mas sobretudo Mossoró e região oeste.

Escritor de raros dotes, Raimundo Soares de Brito escreveu importantes trabalhos enfocando da indústria e do comércio na região a tratado memorialístico fantástico que preserva figuras populares fascinantes com as quais conviveu. O livro por título "Eu, ego e os outros", publicado pela Editora Queima-Bucha, consiste no reconhecimento do grande intelectual potiguar à importância da maioria dos personagens simples e humildes da nossa terra. Se não fosse Raimundo Soares de Brito, pessoas como Mané Cachimbinho, Pata Choca, etc., tinham caído no esquecimento completo.

A geografia e a história mossoroenses foram enriquecidas com a publicação dos volumes do Dicionário de ruas e patronos, frutos da obstinação e da perspicácia de Raimundo Soares de Brito.

Talvez um dos mais marcantes trabalhos de Raimundo Soares de Brito seja "Nas garras de Lampião", publicado pela Coleção Mossoroense da Fundação Vingt-un Rosado. Esmiuçando o diário do "Coronel" Antônio Gurgel, prisioneiro do bando de Lampião em 1927, Rai Brito legou-nos interessantes notas históricas sobre espaço e tempo das agruras vividas pelo bravo sertanejo que viveu indesejado drama antes e após o frustrado ataque bandoleiro a Mossoró.

Amigo pessoal de Raimundo Soares de Brito, sempre contestei a "mania exagerada de perfeição" que acompanha imemorialmente o grande mestre. Exemplo disso encontra-se na relutância em publicar fabuloso trabalho memorialístico sobre o "Coronel" Quinca Saldanha, chefe político de Caraúbas (RN) que em um passado remoto, inexplicavelmente, atendeu aos apelos da Aliança Liberal e cerrou fileiras com o governo de João Pessoa no Estado da Paraíba, enviando, inclusive, jagunços para lutar ao lado das tropas legalistas em Tavares (PB), quando da guerra civil de Princesa em 1930.

Raimundo Soares de Brito

Raimundo Soares de Brito é referência quando o assunto envolve o âmbito cultural no Estado do Rio Grande do Norte, pois com dedicação ímpar tornou-se uma das maiores autoridades das letras na região, razão pela qual a universidade do Estado do Rio Grande do Norte não titubeou em conceder-lhe título de Doutor Honoris Causa.

(*) José Romero Araújo Cardoso. Geógrafo. Professor-adjunto da UERN. Mestre em Desenvolvimento e Meio Ambiente.


http://blogdomendesemendes.blogspot.com

sexta-feira, 29 de maio de 2015

Capitão Virgulino Ferreira: LAMPIÂO


Eu não sei quanto tempo faz que recebi esta maravilhosa obra "Capitão Virgulino Ferreira: LAMPIÃO" do poeta, escritor, pesquisador do cangaço e gonzaguiano Kydelmir Dantas. É um excelente trabalho escrito pelo pesquisador do cangaço Nertan Macêdo. 

 Autor: Nertan Macêdo
Editora: Edições o Cruzeiro
Estante: Brasil
Páginas: 233
Preço: a combinar

Para você conseguir o quanto antes possível entre em contato através do e-mail abaixo com o professor e pesquisador do cangaço Francisco Pereira Lima, lá de Cajazeiras, no Estado da Paraíba. Se ele tiver em sua livraria ele indicará com que você poderá adquiri-lo.

Email: franpelima@bol.com.br

http://blogdomendesemendes.blogspot.com
 http://jmpminhasimpleshistorias.blogspot.com

NOVO LIVRO DE SABINO BASSETTI LAMPIÃO - O CANGAÇO E SEUS SEGREDOS


Através do e-mail sabinobassetti@hotmail.com vocês poderão estar adquirindo o mais recente trabalho de José Sabino Bassetti intitulado "Lampião - O Cangaço e seus Segredos".

O Livro, como o próprio título já diz, trará em suas páginas alguns segredos e informações, sobre o cangaço e seu representante maior, até então desconhecidas da grande maioria dos simpatizantes e estudiosos do assunto.

Um trabalho que foi desenvolvido através de pesquisas sérias e comprometidas com a verdadeira história, baseado em depoimentos e declarações de testemunhas oculares dos acontecimentos.

O Livro custa apenas R$ 40,00 (Quarenta reais) com frente já incluído, e será enviado devidamente autografado pelo autor, para qualquer lugar do país.

Não perca tempo e adquira já o seu.
Texto: Geraldo Junior

http://lampiaoaceso.blogspot.com
http://blogdomendesemendes.blogspot.com

CORISCO A SOMBRA DE LAMPIÃO


UM INTELECTUAL DO CANGAÇO: atuante nas ciências humanas – Magistrado e Historiador

Os invasores europeus chegaram ao Brasil pela região Nordeste e esta, do ponto de vista da economia, já foi a mais rica do país, durante o ciclo da cana-de-açúcar. Mas Ela é muito mais do que uma simples Região geográfica. No tocante ao espaço e ao tempo, o Nordeste brasileiro tem destaque cultural e histórico. (1)

No Nordeste brasileiro aconteceu a manifestação de vários fenômenos sociais que compõe a matriz histórica e cultural, a exemplo do cangaço, coronelismo, messianismo, etc.. Movimentos, tais como o Regionalista, de 1926 e liderado por Gilberto Freyre; e, o Armorial, sendo o seu o protagonista Ariano Suassuna.

Nos estudos, memorialísticos ou acadêmicos, têm várias publicações, em forma de livros, que, atestam as ações de diversos atores sociais com inserção nos mais variados cenários da manifestação dos fenômenos do Sertão nordestino. Podem-se citar tanto brasileiros como brasilianistas, que, escreveram sobre o Nordeste, em obras seminais, tais como: Frederico Pernambucano de Mello, através de GUERREIROS DO SOL (cangaço); Victor Nunes Leal, através de CORONELISMO, ENXADA E VOTO (coronelismo); Ralph Della Cava, através de MILAGRE EM JOAZEIRO (messianismo); Moema Selma D’Andrea, através de A TRADIÇÃO RE(DES)COBERTA (Regionalismo de 26); Idelette Muzart Fonseca dos Santos, através de EM DEMANDA DA POÉTICA POPULAR (Movimento Armorial). Aqui foram citadas apenas algumas obras para ilustrar a importância cultural e histórica do Nordeste brasileiro.

No caso específico do cangaço, ultimamente vem sendo publicado muitos livros sobre o citado fenômeno, aliás, tem autor especialista no tema com obras afins, como é o caso de Frederico Pernambucano de Mello, Antônio Amaury Corrêa de Araújo, João de Souza Lima, Alcino Alves da Costa, além de muitos Outros.

Neste simples texto, quero destacar o magistrado e historiador potiguar: Sérgio Augusto de Souza Dantas, mais conhecido por Doutor Sérgio Dantas.

Sérgio Dantas deu uma contribuição importantíssima à historiografia e à memória do tema cangaço. Escreve fluentemente e utiliza uma metodologia rigorosa através de confrontos das fontes: bibliográfica, documental e oralidade, através de entrevistas e depoimentos de contemporâneos aos fatos acontecidos. Um de seus estilos do ato de escrever, manifesta-se numa variada adjetivação do sujeito e colocar as notas no final de cada capítulo. Aliás, notas ricas em detalhes, mas acredito que seria melhor para o leitor se fosse transformadas em notas de rodapé. Uma simples sugestão. 

O citado Autor já escreveu quatro livros, a saber: 1) LAMPIÃO E O RIO GRANDE DO NORTE: A História da Grande Jornada, obra definitiva e seminal para se entender a tentativa de invasão, pelo bando lampiônico, a Mossoró-RN, em junho/1927 (2); 2) ANTÔNIO SILVINO: O Cangaço, O Homem, O Mito; 3) LAMPIÃO: Entre a Espada e a Lei; e, 4) CORISCO: A Sombra de Lampião. 

No tocante ao cangaceiro Corisco, já existiam duas obras publicadas: a de Paulo Gil Soares: VIDA, PAIXÃO E MORTES DE CORISCO: O Diabo Louro; e, a de Antônio Amaury Corrêa de Araújo: GENTE DE LAMPIÃO: Dadá e Corisco.

A última obra de Sérgio Dantas, CORISCO: A Sombra de Lampião, no momento começando a ler o 8º Capítulo, intitulado: NOVA OLINDA. A primeira impressão é que se trata da obra definitiva sobre Cristino Gomes da Silva Cleto, de alcunha Corisco, sem desmerecer as outras duas já citadas. Um autor que não se limita a escrever em escritório e sim, foram feitas várias pesquisas de campo e durante alguns anos. Utiliza livros, documentos e história oral com informações cruzadas e confrontadas. Continua a utilizar muita adjetivação. Não utiliza os falares sertanejos porque a língua falada no Brasil é o português e não existe a presença de dialetos, justifica o Autor. Também não utiliza a gradação dos fatos sobre a vida do cangaceiro Corisco e sim, uma sólida ordem cronológica.

Um excelente livro e recomendo a sua leitura.
Notas:
(1) ALBUQUERQUE JÚNIOR, Duval Muniz de. A INVENÇÃO DO NORDESTE E OUTRAS ARTES. 4ª Edição Revista. São Paulo-SP: Cortez, 2009.
(2) PAIVA, Melquíades Pinto. CANGAÇO: Uma Ampla Bibliografia Comentada. 1ª Edição. Fortaleza-CE: IMEPH, 2012.

Fonte: facebook
Página: Carlos Alberto Lampião, Cangaço e Nordeste

http://blogdomendesemendes.blogspot.com